CRISE MIGRATÓRIA
Interiorização de venezuelanos em RR começa em 15 dias
Gostei (2) Não gostei (0)
São Paulo e Amazonas serão os primeiros locais a receberem os imigrantes
Por Folha Web
Em 21/02/2018 às 21:00
(Imagem ilustrativa)

O governo federal anunciou, nesta quarta-feira, que vai dar início, em 15 dias, ao processo de transferência de grupos de venezuelanos que estão chegando a Roraima. Os imigrantes serão encaminhados para outros estados. Os primeiros serão São Paulo e Amazonas.

De acordo com o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padillha, o prazo de 15 dias é o tempo necessário para que seja feita a imunização desses imigrantes contra doenças como sarampo e malária. Segundo Padilha, o processo de “interiorização” envolve imigrantes venezuelanos que estão vivendo em abrigos ou acampamentos nos espaços públicos de Boa Vista, em Roraima.

— É uma crise humanitária que nós não podemos virar as costas — destacou Padilha.

O anúncio foi feito, no Palácio do Planalto, após a primeira reunião do Comitê Federal de Assistência Emergencial para os imigrantes em situação de vulnerabilidade, do qual participaram pelo menos dez ministros do governo.

Segundo Natalia Marcassa de Souza, subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil, inicialmente 350 imigrantes venezuelanos serão encaminhados para São Paulo e outros 180 refugiados seguirão para Manaus. Eles receberão assistência e terão oportunidades de emprego.

— Temos aceitação de São Paulo e Manaus para receber alguns trabalhadores. Isso é para desafogar um pouco a fronteira. A gente está fazendo o cadastro e a vacinação. Então a gente tem a previsão de 15 dias para fazer a imunização e iniciar (a interiorização). Ou seja, estamos garantindo primeiro a vacinação para depois interiorizar — informou.

EXÉRCITO ACOLHERÁ 3 MIL IMIGRANTES

Questionada sobre a situação precária em que milhares de venezuelanos têm passado as últimas semanas, nas ruas e praças de Boa Vista, Natalia informou que o Exército brasileiro vai abrir vaga para o acolhimento de mais 3 mil imigrantes. Isso é mais do que o dobro da capacidade de atendimento dos três abrigos públicos de Roraima.

Segundo o governo, 1,5 mil vagas serão abertas em Pacaraima, município que faz fronteira com a Venezuela, e outras 1,5 mil em Boa Vista. Os abrigos estão sendo chamados de Centro de Acolhimento de Viagem e vão oferecer alimentação, banheiro químico e acesso a consultas médicas.

#oglobo

Rildo Lopes disse: Em 21/02/2018 às 21:59:56

"Ajudar é bom, isso todos sabemos .... E o que fazemos com os brasileiros que possuem formação e estão desempregados e não possuem condições de ir para outro Estado? Ah no Brasil não temos desigualdade social. Que bom!"