AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA

Justiça mantém preso Ney Mentira, sobrinho do ex-senador Telmário Mota

Sobrinho do político é apontado como responsável pela logística e planejamento do assassinato da mãe da filha de 18 anos do ex-senador

Ney Mentira, sobrinho do ex-senador Telmário Mota, em entrevista à imprensa após ser entregar à polícia (Foto: Marília Mesquita/FolhaBV)
Ney Mentira, sobrinho do ex-senador Telmário Mota, em entrevista à imprensa após ser entregar à polícia (Foto: Marília Mesquita/FolhaBV)

A Justiça de Roraima determinou na manhã desta quinta-feira (9), durante audiência de custódia, a manutenção da prisão temporária de Harrison Nei Correa Mota, o Ney Mentira. O sobrinho do ex-senador Telmário Mota é apontado como responsável pela logística e planejamento do assassinato de Antônia Araújo de Sousa, de 52 anos – mãe da filha de 18 anos do político que acusou Telmário de estupro às vésperas das eleições de 2022.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DO CASO

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



A decisão, que também enviou o caso para o juízo de origem, já era esperada pela defesa do suspeito. Ney Mentira se entregou à Polícia Civil de Roraima na noite de quarta-feira (8) após ficar oito dias foragido. Ele era o único suspeito de envolvimento com o crime que estava com mandado de prisão pendente.

Em entrevista à imprensa no Distrito de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), ele negou todas as acusações de envolvimento com o crime, disse que não teve contato com o tio e explicou que demorou a se entregar porque não tinha advogado e, portanto, ficou escondido “no meio do mato”.

Sobre a motocicleta usada no dia do crime, ele informou que foi comprada por R$ 4 mil a pedido da assessora de Telmário, Cleidiane Gomes da Costa, e que ela teria informado que o veículo iria para o interior de Roraima. “Eu já fiz várias coisas erradas, estou pagando e já paguei, não é por isso que vou continuar sendo errado. Eu estava trabalhando na Secretaria do Índio, eu não devo nada”, disse.

Também estão presos por envolvimento no homicídio: Telmário Mota, apontado como o mandante do crime; e Leandro Luz da Conceição, o suspeito de efetuar o disparo que matou Antônia. Cleidiane Gomes da Costa cumpre medidas cautelares com tornozeleira eletrônica.