Por Opinião
Em 24/11/2017

Corrupção! - Selma Mulinari*

A palavra do ano escolhida pelos internautas brasileiros foi CORRUPÇÃO! Outras palavras compuseram o ranking de escolha. Tivemos na disputa as palavras CRISE, VERGONHA, MUDANÇA, TENSO, mas a que ganhou foi a palavra corrupção. Acredito que os brasileiros, mesmo sem tomar total consciência do que realmente está acontecendo, estão acordando. Digo sem total consciência por não acreditar que, num país em que a grande massa da população ainda vive das migalhas do governo, possa realmente exercer as mudanças necessárias para esse país.

Voltando, no entanto, à escolha dos internautas, podemos perceber o quanto é triste constatar que, num país tão lindo como o Brasil, tão cheio de motivos para vivenciar coisas positivas em função de ter um povo acolhedor e alegre, chegamos a uma escolha dessa. Podíamos ter escolhido ALEGRIA, FUTEBOL, PAIXÃO! Todas essas palavras teriam mais a ver com o Brasil do que as palavras que foram cogitadas.

Contudo, realmente a palavra da vez no Brasil é CORRUPÇÃO! E daí perdura a eterna tristeza do que fizemos com o nosso Brasil? Fizemos, porque fomos todos nós, brasileiros, que deixamos esse mar de corrupção tomar conta do nosso país. Que deixamos essa corja de corruptos se apropriar do país e das instituições como se fosse uma extensão de seus negócios particulares. Deixamos acontecer a cada eleição, a cada pensamento de “deixa pra lá”, “não é comigo”, “essa realidade não é a minha”, “isso é um mal necessário”. Esses jargões que costumamos justificar as nossas escolhas erradas e as nossas omissões como cidadão.

Então, podemos aproveitar esse momento e realizar uma reflexão sobre essas palavras e de como podemos sair desse buraco em que o Brasil inteiro está enfiado. A CRISE vem se mostrando, se instalando há muito tempo, não se entra em um processo de extrema desonra, violência, corrupção, descrédito total das instituições políticas e governamentais de um país de um momento para o outro. O grande problema é que nós, brasileiros, não reagimos às nossas crises de frente e nem procuramos efetuar MUDANÇAS.

MUNDANÇAS são doloridas, incômodas e causam desconforto. Mexem com os acordos políticos e com os arranjos administrativos. Daí, na acomodação do brasileiro, esses movimentos não são bem-vindos. As escolhas sempre são para que os problemas sejam resolvidos sem grandes processos de mudanças, sem mexer muito, de preferência “acomodando” a todos e dando o famoso “jeitinho brasileiro”, justamente para ninguém sentir. Com esse pensamento fomos levando o Brasil para o buraco em que nos encontramos agora e que não vemos a menor perspectiva de real mudança.

TENSO é saber que, estando às portas de um ano eleitoral, não vemos uma solução para todos os escândalos que foram denunciados e que nada foi realmente apurado. São inúmeras “operações” que a cada dia deixam o país boquiaberto. Mas, os envolvidos continuam nos mesmos lugares, exercendo a mesma influência, trabalhando para que nada seja resolvido. No final das contas, vamos ver todos em cima dos palanques eleitorais com as mesmas falácias e com os mesmos jogos de poder que conhecemos bem. Promessas, planos mirabolantes, projetos faraônicos e soluções para todos os problemas vividos pelo País afora.

VERGONHA! É o que todos nós, brasileiros, temos que ter diante de tudo que estamos vivendo. Vergonha, indignação, revolta é o que devemos sentir para que possamos reagir para que possamos achar uma saída em curto prazo. Somente pensando muito no que vamos fazer nas próximas eleições é que podemos dar início às mudanças que precisamos para o nosso Brasil. Como já citei, é difícil exercer as mudanças necessárias quando a massa da população vive de programas governamentais.

Voltemos à CORRUPÇÃO que assola o nosso país e que se banalizou em todas as áreas e tornou-se normal em todas as esferas. Como mudar essa realidade no Brasil? Então, busco outra palavra que poderia ilustrar o universo dos nossos internautas e que nem sequer foi citada: EDUCAÇÃO. Para salvar o nosso Brasil, tão esculhambado, somente através da educação. Educação que se inicia em casa com pais conscientes, que saibam criar os seus filhos amando, orientando, impondo limites para que eles cresçam como cidadãos de bem, que saibam o que é ética, respeito, cidadania. Para que quando eles cheguem à escola eles possam ter respeito pelos colegas e pelos profissionais que ali estão para completar a sua formação intelectual.

A corrupção no Brasil vai acabar quando os dirigentes desse país deixem de investir em seus projetos mirabolantes que só levam dinheiro para os seus próprios bolsos e mudem o foco para projetos que desenvolvam a educação, a pesquisa e a tecnologia.

No Brasil, lidamos com um sistema educacional caduco onde o que se sobressai é por iniciativas isoladas, não reflete a realidade brasileira e, na maioria das vezes, denota o esforço isolado de uma gestão. Quando cairmos na real e percebermos que o que precisamos é de uma educação pública de qualidade de verdade, para que possamos sair das exceções e das cotas, vamos também presenciar os nossos internautas escolherem palavras mais edificantes e que simbolizem e representem melhor o nosso país.

*Mestra em História Social
Mulinari.selma@globo.com


Mudar racionalmente - Afonso Rodrigues de Oliveira*

“Com o Congresso podemos até não ter alguma liberdade, mas sem o Congresso não teremos liberdade nenhuma.” (Jarbas Passarinho)

O Congresso faz parte da democracia. E não há democracia sem liberdade. E cabe a cada um de nós, eleitores, escolher o que lhe serve. E a escolha vai depender da nossa formação política que não precisa ser intelectual. É uma questão de cidadania. E esta, a aprendemos no lar, com a educação que nossos pais nos deram e dão. O que deveria ser um exemplo para os pais atuais. O tempo corre acelerado. As eleições estão se aproximando e não veja nenhum passo em direção a correções nos desmandos que nos envergonham atualmente.

A corrupção faz parte do comportamento do ser humano. Não fosse assim e não precisaríamos aprender. Mas necessitamos de ensino. E quem está habilitado a nos ensinar? O que podemos esperar de crianças e jovens que ainda em preparação, ficam o dia todo assistindo a notícias de roubos e cretinices na nossa política? Já ouvi alguém comentar que isso é normal no mundo todo. E daí? Por que temos que ser corruptos porque alguém é, lá fora? Vamos cuidar do nosso País. E não conseguiremos fazer isso enquanto não nos respeitarmos como cidadãos brasileiros.

Faça uma reflexão sobre o que você está pensando para as próximas eleições. O que você pretende fazer para mudar esse quadro nauseabundo. Valorize-se e decida o que é melhor para o nosso futuro. Não se esqueça de que o futuro vai ser dos seus descendentes e não seu. E o que você pretende deixar para eles? Procure ficar calmo diante dos acontecimentos tristes no dia a dia, da política. Eles devem nos servir como exemplo do que não devemos fazer nem aceitar. E você tem todo o poder para corrigir essa desgraça. E é muito difícil, embora muito simples. Vamos nos educar politicamente para merecermos o voto facultativo. Porque enquanto formos analfabetos políticos, os políticos não nos darão a liberdade no voto. Não se esqueça de que sem o voto facultativo você vota por obrigação e não por dever. É aí que está a diferença.

Vamos parar de gritar, e agir no silêncio da sabedoria. Lute pelos seus direitos. E faça isso através da Educação. Eduque seu filho para que ele faça o que deve fazer para corrigir essa distorção política em que vivemos e não conseguimos sair dela. Mas você tem, em você mesmo, o poder de se libertar dessa algema invisível. É ela que nos mantém no já conhecido a alardeado círculo do elefante de circo. Porque é o que estão fazendo conosco, sem o mínimo respeito à nossa cidadania. Faça sua parte. Lute pelo seu direito ao voto facultativo. Pense nisso.

*Articulista
afonso_rr@hotmail.com
99121-1460

Opinião
jesse@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Opiniao
+ Ler mais artigos de Opiniao