DA PRÓPRIA CATEGORIA

Deputado é acusado de agredir e ameaçar líder de comissão de candidatos de concurso

Denunciado ao 1º DP, o parlamentar, que é policial penal, não quis comentar. Confusão ocorreu na entrada da sede do Governo de Roraima

O deputado estadual Rárison Barbosa durante sessão na Assembleia Legislativa de Roraima (Foto: Jader Souza/SupCom ALE-RR)
O deputado estadual Rárison Barbosa durante sessão na Assembleia Legislativa de Roraima (Foto: Jader Souza/SupCom ALE-RR)

O deputado estadual Rárison Barbosa (PMB) é acusado de agredir e ameaçar o líder da comissão da segunda turma do concurso público da Polícia Penal de Roraima, Julio Pessoa. Denunciado ao 1º DP (Distrito Policial), o parlamentar, que é policial penal, não quis comentar o assunto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Em entrevista à Folha, a vítima explicou que a suposta agressão ocorreu na noite dessa terça-feira (12), na escadaria da entrada do Palácio Senador Hélio Campos e que foi filmada pelas câmeras de segurança. A reportagem ainda não teve acesso às imagens. Pessoa estava acompanhado de dezenas de candidatos do certame de 2020 na espera por uma resposta do parlamentar e do governador Antonio Denarium (Progressistas) sobre o chamamento dos candidatos para posse em 2024.

Ele disse que Rarison chegou ao local antecipando que o governador iria vetar a emenda que contemplaria os candidatos na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2024. Julio Pessoa disse ter subido para reunião com Denarium e que contra-argumentou com o Governo.

“Infelizmente não foi possível. O governador alegou que o Estado passa por situação complicada. Enquanto não melhorar a arrecadação e enquanto não se adequar à Lei de Responsabilidade Fiscal, ele não tem como nos contratar, e que já havia feito o que havia combinado com a gente, prorrogando concurso”, lembrou o servidor público, que se refere ao decreto estadual de contenção de gastos que impede novos concursos e novas contratações após o Estado estourar os limites da LRF.

Pessoa disse que chegou a convidar Denarium a descer para explicar a situação à categoria, mas o governador disse que não poderia em virtude de uma lesão na perna. “O deputado desceu, me chamou pra ficar do lado dele, fiquei, e ele pediu pra repassar o que tinha ocorrido. E eu, de pronto, falei: ‘pessoal, infelizmente, não conseguimos o que viemos buscar’”, resumiu.

O líder da comissão conta que, durante as explicações, Rárison o bateu forçosamente com a mão em suas costas, logo após dizer que, com a categoria, não há “enrolação”, sem ironia ou sarcasmo. “Foi um tapa forte nas costas. Ele começou a esbravejar, dizendo que eu tava faltando com a verdade, soltando piada, algo assim. Fiquei sem ação, não lembro do que ele falou, só lembro que, depois disso, ele fez um gesto de cortar o pescoço, como se fosse: ‘Tou por aqui com você’. E desceu as escadas falando que, se os colegas continuassem andando comigo, eles iriam se arrebentar, porque sou o líder da comissão”, disse.

Uma testemunha, em caráter reservado, confirmou a versão à Folha. “O deputado passou a palavra pro Júlio, que começou a falar normalmente, tranquilamente. Até que ele disse que, com a categoria, não tem enrolação, o Rárison deu uma ‘mãozada’ nas costas dele e começou a esbravejar, que não aceitava falta de respeito, desferiu alguns xingamentos. Ficamos todos assustados”, disse ele, ressaltando que, depois, o parlamentar chegou a aliviar os tapas para deixar a impressão de que não agiu com violência.

“Eu me senti intimidado. Ele ainda falou: se vocês continuarem seguindo o Julio, vocês vão ficar mais f*** do que vocês estão agora”, disse. “A agressão foi gratuita”.

Rárison Barbosa está em seu primeiro mandato como deputado estadual, após ser o 22º mais votado com 3.200 votos nas eleições de 2022. Ele ganhou a disputa ao executar uma das menores despesas do Brasil para o cargo, com R$ 8.106,43. Barbosa foi eleito ao defender especialmente a categoria de policiais penais de Roraima. No pleito passado, ele declarou o 11º maior patrimônio entre os parlamentares eleitos, com R$ 595 mil.