Por Parabólica
Em 24/01/2020

AUSÊNCIAS

Com pouca presença de público, a ausência mais notada na solenidade de passagem do comando da Operação Acolhida, do general Eduardo Pazuello para o general João Manoel Barros, foi a de parlamentares federais. Nenhum dos três senadores e dos oito deputados federais se fez representar no evento realizado no Centro de Atividades de Fronteiras da Universidade Federal de Roraima (UFRR). Também a prefeita de Boa Vista, Teresa Surita (MDB), não foi ao CAF, mas mandou representante. Dos 24 deputados estaduais, estiveram presentes apenas dois. 

NÚMEROS 1

Ninguém sabe, com razoável precisão, quantos imigrantes venezuelanos já entraram no Brasil. E se não sabemos qual é este número, pelo menos aproximadamente, fica difícil traçar uma estratégia minimamente eficiente para tratar do problema e de suas consequências. A responsabilidade por este vácuo de informação é dos órgãos federais que tratam da recepção e do destino desses migrantes, que por certo já passam de duas centenas de milhares. A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) informa que seriam 224 mil que teriam entrado no país e 135 mil pediram refúgio. Ontem, quinta-feira (23.01), o general João Manoel de Barros, ao assumir a coordenação da Operação Acolhida, deu um número muito diferente: estão entrando pela fronteira brasileira com a Venezuela algo em torno de 1,5 mil imigrantes por mês. 

NÚMEROS 2

Este número é bem menor que os das estimativas anteriores que contabilizavam um fluxo diário de entrada em torno de 500 imigrantes, o que alcançaria uma entrada mensal de 15 mil imigrantes no Brasil, via fronteira com a Venezuela, ou seja, por Roraima. A diferença entre os números é tão disparata que desperta muita desconfiança entre os que se preocupam com o problema. Na mesma cerimônia, o general Barros disse que a Operação Acolhida tem como meta interiorizar mensalmente 3 mil imigrantes, o que aponta para a redução dos problemas trazidos pela imigração, se estiverem certos os números de entrada e saída estimado, via interiorização, pelo novo coordenador da Operação Acolhida.

APANHANDO

Responsável pelo combate da garimpagem ilegal em terras indígenas – além de executor da Operação Acolhida – o Exército Brasileiro (EB) está apanhando de todos os lados. Noutro dia, foi acusado por lideranças de garimpeiros de abuso de poder ao prender transgressores e apreender equipamentos utilizados criminalmente. Integrantes do EB chegaram a ser acusados, absurdamente, de pedir propina dos garimpeiros. Agora vem outra acusação absurda, frente ao número das operações onde foi chamado a atuar: alguns agentes do Ibama e do Instituto Chico Mendes utilizam redes sociais para acusar o EB de não  apoiar a repressão a crimes ambientais na Amazônia.

RÁPIDAS

Como a justiça expediu a citação diretamente à Mesa Diretora para a entrega das atas solicitadas pelo deputado estadual Soldado Sampaio (PC do B), até agora os documentos solicitados não foram entregues. O motivo é que devido ao recesso não foi possível notificar o presidente ou o 1º vice-presidente para o cumprimento da decisão judicial ### Por falar em recesso parlamentar, um levantamento feito pela Parabólica indica que a Assembleia Legislativa de Roraima é única no Brasil e não voltar aos trabalhos legislativos no dia 1º de fevereiro ### E agora? O deputado estadual Renato Silva fez graves acusações de corrupção no governo de Antônio Denárium (sem partido). Depois de bater, ele assoprou dizendo que o governador não compactua com corrupção. Ainda insinuou que na volta do recesso parlamentar a coisa vai esquentar. ### É muito difícil não enxergar a mão dos adversários de Jair Bolsonaro nesta história de que o Brasil piorou um ponto no ranking da corrupção mundial em 2019. Por respeito à verdade, até agora, não pipocou qualquer caso de corrupção no atual governo. ### É também muito difícil não enxergar a mão da intriga palaciana neste anúncio de que o presidente Jair Bolsonaro estuda seriamente recriar o Ministério de Segurança Pública. Podem dizer o que quiserem, mas a medida enfraquece muito o atual ministro Sérgio Moro. Parece que a eleição presidencial de 2022 já começou. ### Fontes muito credenciadas da Parabólica, bem situadas no Planalto Central, dizem que autoridades federais estão investigando o voo de um jatinho Lear Jet, realizado no semestre passado que saiu de Boa Vista em direção a Georgetown - a Capital da República Cooperativista da Guiana – e voltou no mesmo dia. ### A dúvida dessas autoridades é para tentar saber qual foi o conteúdo trazido da Capital guianense. É nitroglicerina pura. ### Aliás, ainda sobre o subterrâneo sujo de alguns negócios em Roraima: aquela operação da Polícia Federal, para investigar a exportação de ouro desde Roraima, abortou um poderoso esquema para trazer muito ouro da Venezuela, para esquentar o mineral no estado. ### De um deputado federal ouvido pela Parabólica: “Eles venceram. O linhão de Tucuruí não virá tão cedo”. Ele se referia aos políticos de Roraima e do Amazonas que estão ganhando rios de dinheiro com o atual sistema termoelétrico.           

Parabólica
parabolica@folhabv.com.br
Cadastrar-me Enviar Comentário
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Parabólica
+ Ler mais artigos de Parabólica