INVESTIGAÇÃO
Bombeiro Civil será ouvido pela Polícia sobre sequestro
Bombeiro Civil irá fazer exame de Corpo de Delito no Instituto Médico Legal (IML). A avaliação médica seria um procedimento para dar andamento as investigações.
Por Folha Web
Em 23/12/2017 às 16:30
Simões reapareceu no final da tarde de sexta-feira, 22, alegando ter conseguido sair de um cativeiro localizado entre os municípios de Mucajaí e Iracema (Foto: Divulgação)

O depoimento do ex-militar do Exército Brasileiro e bombeiro civil, Denilson Simões do Nascimento, de 43 anos, que passou 25 dias sumido por ter sido vítima de um suposto sequestro, está previsto para ocorrer na próxima terça-feira, 26.

Simões reapareceu no final da tarde de sexta-feira, 22, alegando ter conseguido sair de um cativeiro localizado entre os municípios de Mucajaí e Iracema, na região Centro-Sul do Estado.

Conforme apurado pela reportagem,  Denilson ficou internado por algumas horas no Hospital Geral de Roraima (HGR), onde passou por exames para avaliar o quadro clínico. Por volta das 19h ainda da sexta-feira ele  recebeu alta e foi levado para residência. Além disso, os bombeiros civis contam que o ex-militar tem marcas de cordas nos pulsos e no pescoço, estava barbado e abatido.

A Folha apurou ainda que Denilson até ontem, 23, não tinha registrado nenhum Boletim de Ocorrência, para denunciar o crime do qual foi vítima.Um agente de polícia que não terá o nome revelado, revelou a reportagem que ainda no sábado, o bombeiro civil faria um exame de Corpo de Delito no Instituto Médico Legal (IML). A avaliação médica segundo o policial, seria  um procedimento para dar andamento  as investigações.

Caso - O ex-militar do Exército e bombeiro civil, Denilson Simões do Nascimento, de 43 anos, reapareceu no final da tarde de ontem, dia 22, após o sumiço misterioso que durou 25 dias, tendo em vista que o fato ocorreu no dia 27 de novembro. De acordo com os relatos de alguns bombeiros civis à Folha, o homem conseguiu sair de um cativeiro localizado entre os municípios de Mucajaí e Iracema, na região Centro-Sul do Estado.

Com informações da repórter Tarsira Rodrigues.

Andre Chagas Correa disse: Em 23/12/2017 às 22:32:57

"Essa história tá um pouco estranha!"