5 mitos sobre tecnologia que as pessoas ainda caem

Nem toda crença popular é verdadeira. Quem cresceu nos anos 90, já ouviu que videogames estragavam as televisões, o que não é verdade. Hoje, se fala muito sobre as Inteligências Artificiais, que irão substituir os seres humanos, mas isso também é pouco provável. Hoje vamos falar um pouco sobre estes e outros mitos que a maioria da das pessoas já caíram ou ainda acreditam que é verdade.

1. A rede 5G pode afetar a saúde.

Por utilizar frequências mais altas do espectro eletromagnético, o 5G sofreu com boatos e especulações de que a tecnologia poderia causar doenças. Segundo o rumor, difundido am grupos de WhatsApp, a exposição à rede móvel de quinta geração teria relação com dores de cabeça, fadiga e problemas com sono. No entanto, não há evidências científicas que comprovem nenhum desses sintomas.

2. Deixar a portas fechadas atrapalham sinal do Wi-Fi

Entre os materiais que podem comprometer o sinal da sua rede Wi-Fi estão superfícies metálicas, espelhos, aquários, micro-ondas, telas de LCD e até cabos desprotegidos. No entanto, diferentemente do que alguns usuários acham, a porta estar fechada ou aberta não interfere de forma alguma no acesso à Internet. Entretanto, paredes podem sim diminuir a intensidade.

3. Navegar de modo privado na internet mantém o usuário completamente anônimo

Não é bem assim. A navegação privativa ou modo anônimo permite apenas que você faça uso do navegador sem que os sites tenham acesso aos cookies, sessões e dados de site que existem no navegador normal. Além disso, as páginas abertas não entram para o histórico de navegação do computador.

4. Inteligências Artificias possuem consciência

Inteligências artificiais como o ChatGPT são capazes de interagir com os usuários como se tivessem consciência, mas a verdade é que elas não têm. As respostas dessas ferramentas, por mais complexas que pareçam, são ditadas por dados e algoritmos — que, por sua vez, são criados por humanos. Isso significa que estas tecnologias só fazem aquilo que são programadas para executar, ao contrário de humanos, que conseguem utilizar a criatividade e a habilidade social de forma espontânea.

5. Quanto mais pixels, melhor a câmera

O número de pixels de uma câmera sempre é evidenciado em anúncios de smartphones, e muitas vezes é dito até que o seu número implica diretamente na qualidade das fotos. Porém, essa informação não é completamente verdadeira. Vários fatores deixam uma foto melhor, incluindo o tamanho e a qualidade do sensor de imagens, as lentes, entre outros. Então, na hora de escolher uma câmera, não se iluda apenas pelo número de pixels que ela oferece.

Crédito: Folha BV Créditos das imagens: Canva Pro,  Istock e Nilzete Franco (Folha BV)