Saúde e Bem-estar

Dançar pode não ser apenas pura diversão, já que a atividade traz diversos benefícios à saúde

Dançar em festas faz bem à saúde e libera endorfina

Seja em uma festa ou em casa, a dança é sempre uma atividade extremamente prazerosa, que faz bem não apenas para a saúde física, como mental. Isto porque ela melhora a flexibilidade, a coordenação motora e proporciona o bom humor. Porém, um novo estudo realizado pela Universidade de Tecnologia da Austrália, mostra que dançar faz com que você envelheça melhor, porque a atividade aumenta a felicidade.

Como o estudo foi feito

Durante um experimento de três meses, os pesquisadores acompanharam um grupo de pessoas que realizava atividades relacionadas à dança. A conclusão, após questionarem essas pessoas, foi que elas apresentaram melhorias nos níveis de energia e na postura, além de terem obtido uma grande sensação de conquista. Sentiram-se mais alegres e passaram a aproveitar mais os momentos relacionados ao coletivo e a amizades.
“Um dos focos da pesquisa foi investigar o que levou adultos a participarem de atividades como o balé, e descobrimos que melhorar a saúde e o bem-estar era um dos principais motivos”, afirma Felicity Mandile, um dos autores do estudo.
Aliás, o balé figura entre uma das atividades físicas mais visadas entre os adultos, e é considerada uma atividade altamente prazerosa. As pessoas que o fazem, reportaram que acharam o exercício positivamente eufórico e transformacional, porque fez com que eles tivessem grande satisfação em participar de um compromisso social a toda semana.

Por quais outros motivos devo começar a dançar?

O estudo relaciona a felicidade com um melhor envelhecimento, mas os benefícios vão além disso. Listamos algumas das melhorias que a dança pode trazer à sua vida:

Aumenta a frequência cardíaca

Com um aumento da frequência cardíaca, a circulação de sangue é estimulada, melhorando a capacidade respiratória.

Ajuda a perder peso

Em apenas 30 minutos de atividade, a dança é capaz de eliminar muitas calorias. Quem dança bolero queima, em média, 175 kcal. Já quem prefere o forró ou o samba de gafieira pode perder 235 kcal. Mas o rock é o verdadeiro campeão na perda de peso. Em meia hora é possível perder 275 kcal. Então se o seu objetivo é emagrecer, a dança pode ser uma grande aliada.

Libera endorfina

A endorfina é uma substância conhecida por gerar prazer, sendo assim, você estará em um estado mental positivo e feliz sempre que dançar, pois a atividade causa a liberação do hormônio no corpo.

Traz impactos positivos à sua vida social

A dança é essencialmente uma atividade social. Ela estimula o diálogo e permite a troca de experiências, o que pode ajudar a superar a timidez e trazer autoestima.
A dança por causar felicidade, faz com que envelheçamos com pensamentos positivos e posturas otimistas em relação à vida. Isso pode prevenir o surgimento de doenças como a ansiedade e a depressão, que afetam diretamente na saúde física, o que pode acarretar em doenças graves, já que nosso emocional está intimamente ligado ao sistema imunológico.

 

Quando a vida estiver meio chata: festa baile
Por Roberta D’albuquerque

Vivi minha infância cercada por rituais de celebração, a maioria deles era um oferecimento cheio de doçura de minha mãe. Ela acreditava, e acredita até hoje, que a vida pode ser mais leve. Tenho me observado criando por aqui também, alguns rituais para as meninas.
Para as meninas não, para nós todos. Começou por acaso em um dia de confusão entre elas, um dia que as duas estavam brigando por qualquer coisa e por coisa nenhuma. No auge de minha irritação, mandei todo mundo para o banho, quase como quem manda para um castigo. Enquanto elas estavam lá, acendi uma vela, liguei o som e fui pouco a pouco voltando ao meu estado normal.
Um tantinho arrependida pela bronca que distribuí, um tantinho animada pela minha playlist, mandei as meninas se vestirem formalmente: íamos a uma festa. Enquanto elas obedeciam aborrecidas, acendi um tanto de luzes de natal, aumentei o som, pus a mesa com a louça guardada que ganhei de minha mãe e o baile estava pronto. Dançamos as lenta e as soltinhas, cantamos juntos, trocamos de DJ umas 500 vezes, é certo que foi preciso ouvir uns Justin Biebers aqui, umas Taylor Swifts ali, mas nos divertimos como uma turma. Dormimos roucos e cansados. E é esse tipo de cansaço que me interessa ultimamente.
Nem é preciso dizer que repetimos esse expediente muitas e muitas vezes. Semana passada, quando estávamos em mais uma dessas farrinhas, fiquei comovida. Por um segundo, tive a sensação de estar vivendo em uma dessas fotografias do passado. Senti ali, uma alegria verdadeira e uma saudadezinha antecipada dessa turma. Enquanto as meninas cantavam alto, e dançavam abraçadinhas, pensei no tempo em que elas vão preferir outros pares, outras celebrações, outras músicas, outros.
Quero pensar que quando esse dia chegar, minhas meninas terão aprendido comigo (e com minha mãe, meu marido e minha família deliciosa e barulhenta) que comemorar é preciso. Fico feliz por saber que mostramos a elas a importância dos rituais, a necessidade de dançar, gritar o refrão, acender as velas, os pisca-piscas. O valor de se vestir a altura do que quer que seja, de comer com gosto, de pular, bater palmas com força, suar e dormir cansado.
É um feito, não é? Feito digno de… uma festa baile!