SENADO FEDERAL

Senador diz que decretos de conservação ambiental geram insegurança em Roraima

Hiran Gonçalves (PP) destacou que as medidas limitam a área disponível para exploração econômica em 17%

Pronunciamento ocorreu nessa segunda-feira (11), no Plenário do Senado Federal. (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
Pronunciamento ocorreu nessa segunda-feira (11), no Plenário do Senado Federal. (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

O senador Hiran Gonçalves (PP) declarou, em pronunciamento no Plenário nesta segunda-feira (11), que os três decretos que ampliam as áreas de conservação ambiental de Roraima geram preocupação e insegurança. Para o parlamentar é necessário o equilíbrio entre a preservação ambiental e o desenvolvimento econômico.

O parlamentar destacou que as medidas limitam a área disponível para exploração econômica em 17% do território e afetam, diretamente, a vida de famílias que dependem das atividades produtivas nessas áreas. Gonçalves argumentou ainda que as regulamentações ferem a autonomia federativa, uma vez que confronta a Lei 14.004/20, que facilitou a transferência definitiva de terras pertencentes à União para os estados de Roraima e Amapá.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



“Os decretos da semana passada acabam por reacender a disputa em torno de áreas pacificadas e já sob o domínio do estado, redefinindo áreas já consolidadas, o que traz incomensurável insegurança jurídica à situação. A ação do governo federal em áreas já transferidas e consolidadas sob o domínio definitivo do estado de Roraima representa, assim, uma clara violação ao princípio da legalidade, à divisão de competências constitucionais”,

disse o senador.

LEIA MAIS – Presidente da Femarh critica criação de novas áreas de conservação em Roraima

O parlamentar defendeu o equilíbrio entre a preservação ambiental e o desenvolvimento econômico. Ele também enfatizou a importância de garantir segurança jurídica para o desenvolvimento econômico do estado, visando à melhoria da qualidade de vida da população local e à contribuição para a riqueza nacional.

*Com informações da Agência Senado