COMBATE ÀS FAKE NEWS

FAKE NEWS: Folha não publicou matéria sobre denúncia contra Tuxaua

Mais uma vez utilizam a credibilidade do Grupo FolhaBV em versões mentirosas e que não saíram de nossas páginas

Imagem que circula em grupos não foi publicada pelo Grupo FolhaBV
Imagem que circula em grupos não foi publicada pelo Grupo FolhaBV

Circula nas redes sociais uma notícia falsa sobre uma suposta denúncia de que o Tuxaua Divo Patrício Marcolino, líder comunitário da comunidade do Pium, estaria coagindo indígenas a votar em seu candidato.

Mais uma vez utilizam a credibilidade do Grupo FolhaBV em versões mentirosas e que não saíram de nossas páginas. O jurídico foi acionado e tomará as medidas cabíveis a respeito.

Lembrando que de acordo com a Lei, quem espalhar fake news e for identificado pode responder criminalmente. As tipificações variam entre crimes contra a honra, difamação, calúnia e outros delitos, a depender do contexto da desinformação disseminada. Existe, ainda, a contravenção penal de provocar alarma, anunciando desastre ou perigo inexistente, ou praticar qualquer ato capaz de produzir pânico ou tumultuo.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Nota de Repúdio

Após a propagação da Fake News, a Secretaria Municipal dos povos originários de Alto Alegre emitiu nota de repúdio contra o ato. Confira a nota na íntegra:

A Secretaria Municipal dos povos originários de Alto Alegre-RR, reitera veementemente seu repúdio às calúnias difamatórias dirigidas ao Tuxaua Divo Patrício Marcolino, líder comunitário da comunidade do Pium.

Estamos profundamente preocupados com a propagação irresponsável de fake news que visam comprometer a integridade e a reputação de líderes indígenas dedicados à proteção de seus territórios e direitos.

Nossa instituição reafirma seu compromisso inabalável com a defesa dos direitos dos povos indígenas e a luta contra toda e qualquer forma de discriminação. Tais ataques não apenas prejudicam individualmente os líderes comunitários, mas também minam os esforços coletivos pela justiça e pela preservação das culturas e tradições indígenas.

Diante disso, instamos veementemente à responsabilidade cívica de todos os cidadãos para que evitem a disseminação de informações falsas e se juntem a nós na promoção de um ambiente respeitoso, inclusivo e técnico para o diálogo e a defesa dos direitos dos povos originários.