FEMINICÍDIO

Pai de ex-vereador de Boa Vista mata a ex-esposa e comete suicídio após o crime

Testemunhas relataram à PM que Adelino Filho havia ameaçado a vítima, que tinha uma medida protetiva contra ele

Corpos foram removidos pelo Instituto de Medicina Legal (Foto: Arquivo FolhaBV)
Corpos foram removidos pelo Instituto de Medicina Legal (Foto: Arquivo FolhaBV)
Publicidade
Publicidade

O agricultor Adelino Dias de Sousa Filho, de 59 anos, é acusado de assassinar a ex-esposa Maria do Amparo Lima Sousa, 54, e depois se matar nessa sexta-feira (1º), em um sítio no Projeto de Assentamento (PA) Urubuzinho, na zona rural de Boa Vista. Eles são pais do ex-vereador da capital, Adelino Neto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



A filha e o genro do ex-casal relataram à Polícia Militar (PM) que Adelino e Maria estavam separados há um mês e que foram surpreendidos pelo suspeito, que apareceu com uma arma de fogo artesanal calibre .22 efetuando disparos contra a vítima, que ainda se jogou no banco de um carro para se proteger. No entanto, ela morreu após ser atingida por dois disparos.

Chamada, a corporação iniciou as buscas pelo acusado, que se escondeu no mato. As testemunhas ouviram um disparo e, ao verificar o que havia acontecido, encontraram Adelino caído ao chão, abraçado com a arma que usou para matar a ex-esposa, o que indica que ele se matou. Após a Polícia Civil finalizar a perícia, o IML (Instituto de Medicina Legal) removeu os corpos. As testemunhas ainda relataram à PM que Adelino havia ameaçado a vítima, que conseguiu uma medida protetiva contra ele.

Inicialmente, a Delegacia Geral de Homicídios (DGH) atendeu o caso, mas a investigação foi transferida à Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher para conclusão das diligências.

Adelino Filho tinha 59 anos (Foto: TSE)

Adelino Filho disputou quatro eleições, sendo três para deputado estadual de Roraima (2006, 2010 e 2014) e uma para vereador de Boa Vista (2004), mas não conseguiu se eleger. Ele foi condenado por ser beneficiário do possível crime de improbidade administrativa praticado pelo filho, quando este ocupava uma cadeira na Câmara Municipal.

Publicidade