SEM RESPOSTAS

Mãe de vítima de assédio sexual cobra prisão de suspeito

O caso foi denunciado na Delegacia do Cantá no dia 2 de outubro

O acusado atuava como motorista do transporte escolar (Foto: Nilzete Franco/FolhaBV)
O acusado atuava como motorista do transporte escolar (Foto: Nilzete Franco/FolhaBV)
Publicidade
Publicidade

Uma mulher, de 34 anos, que denunciou um motorista de transporte escolar, de 37 anos, por ter assediado sexualmente da filha dela, de 13 anos, entrou em contato com a FolhaBV para pedir por Justiça. O caso foi denunciado no dia 2 de outubro deste ano, na Delegacia de Polícia do Cantá.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Durante entrevista à reportagem, a mulher contou que sua filha era amiga da filha do suspeito e por isso, frequentou a casa dele algumas vezes, local onde teria ocorrido pelo menos um dos assédios. O outro, teria ocorrido dentro do ônibus.

A mulher descobriu o crime após a menina passar o dia na casa do suspeito e ter visto uma foto dele com as duas garotas em uma cama.

“Ele pediu para a minha filha ir para lá para brincar com a filha dele, como elas eram amigas e só moravam eles dois, eu deixei. A hora foi passando e nada dela voltar, mandei mensagem para o celular dele e ele me enviou essa foto. Na hora, o meu coração de mãe sentiu que tinha algo errado”, explicou.

Quando a adolescente voltou para casa, por volta das 19h, a mulher a questionou a menina para saber se tinha acontecido alguma coisa e ela confirmou os fatos.

“Ela não omitiu nada e contou que ele ficou a abraçando, e a acariciando. Além de fazer ameaças, caso ela contasse o que aconteceu. Inclusive, uma das vezes ocorreu dentro do transporte escolar quando ele foi deixá-la em casa”, disse.

Após tomar conhecimento do crime, a mulher procurou a escola da vítima. A unidade de ensino acionou o Conselho Tutelar, que acompanhou a mãe a vítima até a Delegacia de Polícia, onde foi registrado o Boletim de Ocorrência. Esse mês, ela formalizou uma denúncia no Ministério Público.

Segundo a denunciante, além da denúncia dela, o motorista possui duas medidas protetivas e mais três denúncias de assédio sexual contra menores de idade.

“Outras alunas da escola também denunciaram o motorista. Ele primeiro conhecia os pais e ganhava a confiança para depois fazer o que fazia. Pelo o que fiquei sabendo, por onde ele passa faz isso com as meninas, tem um histórico horroroso”, disse a mulher.

DEMORA

Segundo a denunciante, a Secretaria Municipal de Educação de Cantá teria demorado 14 dias para afastar o motorista das funções. Nesse período, a vítima e os outros filhos dela ficaram sem ir à escola. Além disso, segundo ela, o acusado já foi ouvido pelo delegado, mas continua solto.

“Demoraram quase duas semanas para afastar ele. Nesses dias, os meus filhos deixaram de ir para a escola por medo do que ele poderia fazer”, comentou.

Após pouco mais de um mês da denúncia, a família voltou as atividades normais, mas ainda com receio de andar nas ruas, tendo em vista que o homem mora no mesmo bairro. “Ela voltou a frequentar à escola, a sorrir e fazer as suas coisas, mas, ainda assim, temos medo de deixá-la sozinha ou andar na rua, pois ele fica nos intimidando, indo ao trabalho da minha irmã quase todos os dias. Não sabemos do que ele é capaz de fazer”, destacou.

A mulher finalizou pedindo que a justiça seja feita. “O sentimento que tenho é de frustação e indignação, pois até agora nada aconteceu com ele. Quero muito que a justiça seja feita e ele pague o que fez com a minha filha e as outras alunas”, finalizou.

Polícia Civil

A reportagem procurou a Polícia Civil, que informou por meio de nota, que foi instaurado um inquérito policial para esclarecer totalmente o crime. O procedimento está sendo instruído e em fase final de conclusão.

Secretaria Municipal de Educação

Também procuramos a Secretaria Municipal de Educação do Cantá para saber porquê a demora para afastar o motorista e o órgão não enviou nota formal, mas informou por ligação que o acusado era de uma empresa terceirizada e não fazia parte do quadro de servidores. Além disso, informou que após ter conhecimento da denúncia, o homem foi exonerado.

Publicidade