ALVO DA PF

Justiça manda soltar empresário de Alexandre Pires suspeito de ter elo com garimpo

Desembargadora federal destacou ser desproporcional a prisão por risco à ordem econômica, pois Matheus Possebon tem rendimentos elevados

O empresário Matheus Possebon durante sua fase de cantor (Foto: Arquivo pessoal)
O empresário Matheus Possebon durante sua fase de cantor (Foto: Arquivo pessoal)

A desembargadora federal Maria do Carmo Cardoso concedeu, na noite de sexta-feira (8), habeas corpus ao empresário Matheus Possebon, informou o portal Metrópoles. Ele estava preso desde segunda-feira (4) após ser alvo de operação policial que investiga ele e o cantor Alexandre Pires por envolvimento com um esquema que movimentou mais de R$ 250 milhões do garimpo ilegal da Terra Indígena Yanomami.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Na decisão obtida pelo site brasiliense, a magistrada destacou ser desproporcional a prisão por risco à ordem econômica, pois o empresário tem rendimentos elevados. Os autos indicam que Possebon tem renda mensal de R$ 575 mil. “Felizmente o erro foi corrigido a tempo de Matheus retornar a suas atividades normais”, disse o advogado do empresário, Fábio Tofic Simanto.

Segundo a investigação da Polícia Federal (PF), Matheus Possebon seria um dos responsáveis pelo núcleo financeiro do garimpo, enquanto Alexandre Pires teria recebido ao menos um milhão de reais de uma mineradora investigada. Ambos negam envolvimento com o esquema.

Por conta das suspeitas que implicam Possebon, a produtora de eventos Opus Entretenimento decidiu afastar o executivo até que os fatos sejam esclarecidos. Sobre Alexandre Pires, o escritório disse confiar na idoneidade do artista.

Além de gerenciar a carreira de Alexandre Pires e ser um dos executivos da empresa, Matheus Possebon agencia, pela firma, a carreira de nomes como Ana Carolina, Daniel, Jota Quest, KLB, Luccas Neto, Seu Jorge, Raça Negra e Roupa Nova. Ele também é cantor e teve a própria carreira musical.