AVANÇO

Taxa de mortalidade por doenças cardiovasculares registra queda em Roraima

Segundo a Sesau, até outubro deste ano, foram contabilizados 613 procedimentos que tratam o Acidente Vascular Cerebral (AVC)

Taxa de mortalidaed cai para 5,81%, em 2018 a taxa era de 23,47% (Foto: Suyanne Sá/Ascom/Sesau)
Taxa de mortalidaed cai para 5,81%, em 2018 a taxa era de 23,47% (Foto: Suyanne Sá/Ascom/Sesau)
Publicidade
Publicidade

Dados disponibilizados pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) registraram uma queda na taxa de mortalidade por doenças cardiovasculares em Roraima. Em 2018, ano em que a angioplastia, cateterismo e arteriografia passaram a ser parte do serviço do Hospital Geral de Roraima Rubens Bento de Souza (HGR), a taxa de mortalidade era de 23,47%, em 2023 a porcentagem diminuiu para 5,81%.

O comunicólogo Rosival Soares, de 64 anos, estava no município de Caroebe quando precisou ser internado às pressas após um infarto.

“Primeiro fiz o exame de cateterismo, para identificar qual é o problema do coração. Depois de identificar o problema, eu fui submetido a uma cirurgia, onde foi colocado a ponte de safena”, complementou o paciente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Segundo a Sesau, até outubro deste ano, foram contabilizados 613 procedimentos que tratam o Acidente Vascular Cerebral (AVC). O cardiologista Ildemberg Amorim, afirma que a mortalidade teve a diminuição devido o acesso prematuro dos pacientes ao tratamento, com tempo ideal para o atendimento.

“Em 2018, foi realizado um convênio através da Secretaria de Saúde e uma Clínica Particular que iniciou-se a prestação de serviço especializado. Diminuiu inclusive as sequelas do infarto”, afirmou o cardiologista.

Tratamentos para doenças cardiovasculares começaram a ser feitos em 2018 no HGR (Foto: Suyanne Sá/Ascom/Sesau)

Em 2022, o HGR aderiu as cirurgias cardiovasculares como parte de seu serviço. Este ano, 57 procedimentos foram efetuados.

“Aqueles pacientes que estão indicados a realização da cirurgia de revascularização do miocárdio e troca de válvulas, hoje já são atendidos aqui em Roraima. São cirurgias grandes e complexas, onde toda uma estrutura é montada para realizar esse tipo de cirurgia”, destacou o médico.

O Hospital possui ainda uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) cardiológica com um a equipe multiprofissional, desde médicos intensivistas, cardiologistas, fisioterapeutas e enfermeiros.

Publicidade