NOVOS ALCANCES

Roraima tem duas árbitras nível B na Confederação Brasileira de Natação

Feito foi divulgado nesta semana, após as representantes passarem na clínica de reciclagem de árbitros de Águas Abertas

Árbitras de RR conseguem feito inédito (Foto: Arquivo Pessoal)
Árbitras de RR conseguem feito inédito (Foto: Arquivo Pessoal)
Publicidade
Publicidade

As árbitras roraimenses Ástrea Marinho e Adrielle de Almeida, árbitras Nacionais tipo B de Águas Abertas pela Confederação Brasileira dos Desportos Aquáticos (CBDA). Ambas já faziam parte do quadro de nacional mas elevaram o nível através da Clínica de Reciclagem de Árbitros Nível B da Confederação para 2024.

Nessa categoria B, os profissionais possuem preferência em realizar capacitações internacionais, e participar de eventos de maior porte pelo Brasil. Caso desejem elevar sua categoria para internacional, o profissional precisa atingir este nível. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Para a árbitra Ástrea Marinho, a classificação coloca Roraima no mesmo nível de outros estados.

“A oportunidade de fazer parte do quadro nacional de águas abertas da CBDA é saber que, de alguma forma, eu estou trazendo aqui para Roraima e para a região norte o diferencial de participar de grandes eventos. Só o fato de estar presente em 2023 na estreia da modalidade de águas abertas como árbitra nacional é realizar algo pessoal e profissional meu e agora passar para o nível B, é uma evolução para voos maiores e aí estarei estudando, realizando mais cursos, fazendo as provas e tentando chegar, quem sabe, numa olimpíada como árbitra internacional”, disse.

Ástrea Marinho almeija chegar em uma olimpíada como árbitra internacional (Foto: Arquivo Pessoal)

Adrielle de Almeida afirma que está feliz com o resultado, pois somente duas pessoas conseguiram passar na prova final da clínica.

“Primeiramente, estou muito feliz com essa aprovação, o significado é grande, pois só eu e a professora Teca conseguimos. Espero que o ano de 2024 seja repleto de oportunidades e que possamos estar em constante evolução”, ressaltou Adrielle.

Adrielle de Almeida foi uma das duas árbitras roraimenses a alcançar o nível B na confederação (Foto: Arquivo Pessoal)

A Clínica de Reciclagem de Árbitros Nível B ocorreu quase que simultaneamente com o curso nacional de arbitragem em águas abertas, onde Roraima teve dez inscritos, mas somente quatro conseguiram concluir o curso, se tornando agora parte do quadro inicial da arbitragem de águas abertas da CBDA.

Publicidade