Publicidade
Publicidade

TECNOLOGIA

Em três anos de funcionamento, Pix bate recorde e continuam em ascensão

Levantamento da Febraban mostra que no 1º semestre deste ano, transações com o Pix representaram 93% de todas as outras opções somadas; no quesito volume,  Pix só perde para a TED, confirmando sua vocação para pequenos pagamentos

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Publicidade
Publicidade

Ao longo de três anos de funcionamento, o Pix se consolidou como o meio de pagamento mais utilizado pelos brasileiros, revelando a eficiência e grande aceitação popular da ferramenta, que trouxe conveniência e facilidades para os clientes em suas transações financeiras do dia a dia. Segundo dados do Banco Central, de 16 de novembro de 2020, data em que começou a funcionar no país, até o último dia 30 de outubro foram 66,1 bilhões de transações feitas no sistema financeiro nacional, com valores transacionados atingindo R$ 29,5 trilhões.

Levantamento feito pela Febraban, com base em dados divulgados pelo Banco Central e pela Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito e Serviços), no primeiro semestre deste ano o Pix registrou 17,6 bilhões de transações, o que representa 93% de todas as outras opções juntas somadas- operações com cartão de crédito, débito, TED/DOC/TEC, cheques e boletos totalizaram juntas 18,8 bilhões. Durante todo o ano de 2022, o Pix registrou 24,1 bilhões de transações.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Em relação ao volume transacionado no mesmo período, o Pix totalizou R$ 7,3 trilhões, ficando apenas atrás da TED, que somou R$ 20,5 trilhões. “Nosso levantamento mostra  que as transações com o Pix continuam em ascensão e que a população está usando o Pix como meio de pagamento de menor valor, como foi previsto à época do lançamento da ferramenta, para pagamentos rotineiros do dia a dia, deixando a TED para pagamentos de maior valor”, analisa Isaac Sidney, presidente da Febraban.

“O Pix veio para revolucionar o mercado financeiro e continua constantemente nos surpreendendo. Recentemente, em 6 de outubro, bateu novo recorde de transações em 24 horas e atingiu 163 milhões de operações. A agenda de novas funcionalidades está sempre em evolução e no próximo ano temos previsto o Pix Automático e também está em estudo a possibilidade da realização de transferências internacionais, ferramentas que deverão aumentar ainda mais as operações”, acrescenta.

Outro levantamento da Febraban, com base em números do Banco Central, mostra que em seu primeiro mês de funcionamento, o Pix já ultrapassou as transações feitas com DOC (Documento de Crédito). Em janeiro de 2021, superou as transações com TED (Transferência Eletrônica Disponível). Em março do mesmo ano passou na frente em número de transações feitas com boletos. Já no mês seguinte (maio), o Pix ultrapassou a soma de todos eles.

Já em relação aos cartões, o Pix ultrapassou as operações de débito em janeiro de 2022, e no mês de fevereiro foi a vez de passar na frente das transações com cartões de crédito, quando se tornou o meio de pagamento mais utilizado no Brasil.

Publicidade
Publicidade