DEVIDO AOS INCÊNDIOS

Alunos passam mal por causa de fumaça e escola suspende aulas presenciais em Tepequém

No anexo do colégio militarizado, alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental reclamam de enjôos, dores de cabeça, tontura e dor de garganta na sala de aula

Anexo Tepequém do Colégio Militarizado Ovídio Dias  (Foto: Arquivo Pessoal)
Anexo Tepequém do Colégio Militarizado Ovídio Dias (Foto: Arquivo Pessoal)

Após alunos e funcionários passarem mal devido a fumaça dos incêndios, o anexo do Colégio Militarizado Ovídio Dias em Tepequém, no município de Amajari, encerrou as aulas presenciais na manhã de hoje, 20.

Os incêndios na região da serra se agravaram no início deste mês e nas últimas semanas a fumaça invadiu a Vila de Tepequém, causando transtorno para os moradores. No anexo do colégio militarizado, alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental reclamam de enjôos, dores de cabeça, tontura e dor de garganta na sala de aula.

A professora Edinilce Peixoto, que atua na instituição de ensino, relata que desde semana passada alguns alunos deixaram de ir às aulas. Mas foi devido há um agravante nos sintomas que a gestão da escola optou por cancelar as aulas presenciais enquanto a situação não for controlada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



“Desde a semana passada os alunos vem sofrendo com os sintomas. Mas ontem, [segunda-feira, 19] foi quando a situação se agravou, com alunos sangrando pelo nariz e com dificuldade de respirar. Eu mesma passei mal e tive o sangramento pelo nariz”, relata a professora.

Em frente a escola, é possível ver a fumaça sobrindo o céu da serra de Tepequém (Foto: Arquivo Pessoal)

Em acordo com o Gestor Administrativo do colégio, a partir desta semana, os alunos receberão as atividades avaliativas de forma remota, por meio dos grupos de Whatsapp com os responsáveis.

O anexo do colégio militarizado Ovídio Dias de Tepequém possui cerca de 27 alunos matriculados.

A reportagem entrou em contato com a prefeitura de Amajari para saber quais as medidas que estão sendo tomadas sobre a situação na Vila de Tepequém e aguarda resposta.