JESSÉ SOUZA

Uma grande festa pública, o humor político e tempos de contenção de gastos

Anualmente é realizada a Expoferr, que em 2023 irá custar R$17 milhões aos cofres estaduais (Foto: Divulgação)
Anualmente é realizada a Expoferr, que em 2023 irá custar R$17 milhões aos cofres estaduais (Foto: Divulgação)
Anualmente é realizada a Expoferr, na região de Monte Cristo, que em 2023 irá custar R$17 milhões aos cofres estaduais (Foto: Divulgação)

Não parece ser uma simples coincidência a realização da festa da 42ª Exposição Feira Agropecuária de Roraima (Expeferr) na mesma semana da realização do evento político realizado para a comitiva do PP, a sigla partidária do governador Antonio Denarium. O próprio presidente do Partido Progressistas, Ciro Nogueira, confirmou que a comitiva parlamentar veio a Roraima dar apoio ao governo estadual.

Esse apoio ocorre às vésperas de o Tribunal Regional Eleitoral de Roraima (TRE-RR) realizar, no dia 21 deste mês, o julgamento do recurso interposto contra a decisão que cassou o governador sob acusação de distribuição de cesta básica nas eleições passadas. E a pergunta é: não poderia ocorrer em outro momento a vinda desta comitiva partidária, senão na mesma data da realização de um grande evento agropecuário bancado pelos cofres estaduais?

O Governo do Estado destinou R$17 milhões para a realização da 42ª Expoferr, cuja maior atração artística será o cantor  Wesley Safadão, ao valor de R$ 1 milhão. A organização da festa está sob a responsabilidade do Instituto Brasileiro de Cidadania e Ação Social (Ibras), a mesma instituição contratada pelo governo para organizar a festa junina no Parque Anauá, em julho, pelo valor R$8,8 milhões.

E o importante a lembrar é que a Expoferr será realizada no momento de contenção de gastos, em que o Governo do Estado não pode contratar pessoal, promover concursos públicos nem conceder reajustes salariais a servidores, muito menos conceder incentivos fiscais. No mínimo uma contradição reunir lideranças partidárias em uma festa bancada com dinheiro pública neste momento delicado.

Os órgãos de controle precisam ficar de olho nas cifras movimentadas por um governo que não pode gastar, mas que continua realizando grandes festejos como se estivesse tudo bem. No caso da Expoferr, um evento tradicional e de festa para os homens e mulheres do campo,  ainda que seja importante do ponte de vista econômico, levanta estranheza ao ser usado para reunir lideranças partidárias surgindo como se fossem protagonistas de algo.

Com relação ao momento político, embora haja quem tente transparecer que está tudo bem.

Também não pareceu reinar a tranquilidade. No entanto, o mais importante neste momento, acima do humor dos políticos e de seus comportamentos partidários, é que os órgãos de controle estejam atentos aos gastos e repasses de recursos que vêm ocorrendo.

*Colunista

[email protected]