AFONSO RODRIGUES

Respeitemos as diferenças

Afonso Rodrigues de Oliveira

“Somos todos tolos, tolos sem desculpas, quando falamos da superioridade de um sexo em relação ao outro, como se fosse possível compará-los em condições iguais; cada um tem o que o outro não tem; cada um completa o outro; não são em nada iguais; e a felicidade e perfeição de ambos depende de cada um pedir e receber do outro o que somente o outro é capaz de dar”. (John Ruskin)

Foi um momento muito simples que me dei de cara com aquela faixa, colocada na entrada do prédio, em Brasília: “Somos todos iguais nas diferenças”. Não há nada mais simples e exato para entendermos que devemos respeitar o próximo. Porque quando não o respeitamos não respeitamos nós mesmos. O cara que entende, acha e acredita mesmo que a mulher é inferior a ele, porque ele é homem, não é mais do que um tolo. A felicidade não existe fora do respeito. Então vamos ser racionais e respeitar a mulher, não por ela ser uma mulher, mas por ela ser um ser de origem racional igual a cada um de nós. Vamos acabar com essa idiotice de desrespeitar a mulher porque ela é do sexo feminino. Se você é dos que pensam que são superiores porque são homens, reflita, se for possível, e se pergunte por que é que você está aí. Reflita sobre isso.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Não estaríamos aqui se nossas mães não existissem. Vamos acordar para a realidade e viver a vida com felicidade. E esta está dentro de cada um de nós. A maioria dos seres humanos desperdiça maior parte de sua vida por não saber viver. Estão sim, mais embaralhados na aparência superficial. Quando na verdade, ela pode até fazer você se sentir feliz, mas numa felicidade ilusória. Que é quando confundimos felicidade com euforia. O mesmo que fazemos quando confundimos liberdade com libertinagem. Que é o que a maioria faz, iludidos com a alegria, muitas vezes desentendida. Vamos ser feliz. Todos nós temos esse poder. O problema é que ainda não somos capazes para entender. Comece sua tarefa não confundindo amor com desejo de posse. Quando confundimos amor com desejo caímos no poço do desequilíbrio. Que é o que está nos mostrando, o desequilíbrio emocional e brutal, nas relações de pessoas que não conseguem se equilibrar na corda do relacionamento amoroso. Vamos acabar com a barbárie nos crimes hediondos no relacionamento amoroso, por conta do ciúme. Porque o ciúme é um desequilíbrio mental, assim como a paixão é um desequilíbrio emocional. Tenha o equilíbrio na sua mente e viva, hoje, como uma preparação para sua vida no futuro. Busque a felicidade em você mesmo ou mesma. Porque ela está dentro de você, na sua mente. Fale com o seu subconsciente. Pense nisso.

[email protected]

99121-1460