JESSÉ SOUZA

Exemplo de Caracaraí e as amazônidas como maiores vítimas de crimes no país

Exemplo de Caracaraí e as amazônidas como maiores vítimas de crimes no país
Amazônia Legal tem 30% mais casos de violência sexual do que restante do país, conforme relatório do Instituto Igarapé (Foto: Divulgação)

A Câmara Municipal de Caracaraí deu uma resposta esperada em relação ao vereador Valdemar Ferreira Lima Neto, o Pé no Chão, que agrediu a namorada em um bar, conforme imagens de um vídeo gravado no local. Com sete votos favoráveis, a decisão pelo afastamento é a resposta mais sensata para começar a dar exemplo de enfrentamento à violência contra mulher.

Enquanto por lá a população daquele município tem um caso para refletir e as autoridades o papel de agir, a violência contra a mulher continua um grande desafio para toda a sociedade.  São preocupantes os dados do relatório “A violência contra mulheres na Amazônia Legal nos últimos cinco anos em comparação com o restante do país”, que diz que 7 em cada 10 vítimas de violência sexual contra mulher na Amazônia Legal têm até 14 anos.

O levantamento feito pelo Instituto Igarapé aponta que as amazônidas são proporcionalmente mais vítimas de assassinatos e de violência sexual do que mulheres de outras regiões do Brasil, inclusive afirma que conflitos socioambientais e presença de facções agravam essa realidade, o que faz com que a Amazônia Legal tenha 30% mais casos de violência sexual do que restante do país. De cada 10 vítimas, sete são meninas de até 14 anos de idade.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Embora em cinco anos (de 2019 a 2023) o homicídio doloso de mulheres tenha registrado queda de 2% na Amazônia Legal, ante 12% no restante do Brasil,  a violência não letal (aquelas que não resultam em morte, como física, sexual, psicológica e patrimonial) aumentou 47% na região, contra 12% em outros estados do país.

Os dados apontam ainda que a violência patrimonial contra mulheres cresceu em 62% na região, enquanto no país esse aumento foi de 51%. Em relação à  violência psicológica, a Amazônia Legal registrou um salto de 82%, enquanto no restante do país foi de 14%. Os casos de violência política surpreendentemente cresceram 142% nos últimos cinco anos. A violência física aumentou 37%, ante 3% no restante do país.

Para situar o leitor, é preciso esclarecer que a Amazônia Legal é dividida em duas partes: a Amazônia Ocidental, composta pelos estados do Amazonas, Acre, Rondônia e Roraima; e a Amazônia Oriental, composta pelos estados do Pará, Maranhão, Amapá, Tocantins e Mato Grosso. O relatório foi feito a partir do cruzamento de dados de sistemas de saúde e segurança de estados e municípios, bem como de informações de organizações não governamentais, a exemplo da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e o Projeto ACLED.

Já que não temos dados locais atualizados para que seja amplamente divulgados, a fim de orientar políticas públicas, os números divulgados por diferentes instituições estão aí e alertam que é preciso sair dos discursos de gabinete e das propagandas institucionais para encarar a realidade do problema. Já que em Caracaraí saiu uma resposta, que o exemplo seja seguido pelas demais autoridades no Estado, pois até hoje não deram respostas para agressores protegidos pelo sistema.

*Colunista

[email protected]