Por Opinião
Em 17/10/2018

A EFEMERIDADE DA VIDA

João Antonio Pagliosa*

Todos os seres humanos deveriam viver melhores do que efetivamente vivem.

Principalmente porque a vida é efêmera e parece que nos damos conta disso apenas quando somos surpreendidos pela notícia da morte de alguém, próximo de nós. Apesar das benesses da vida moderna, onde conforto e comodidade nos alcançam através de um simples toque da mão, a maioria das pessoas é infeliz, estressada, e cansada; ou porque sobrecarrega lembranças ruins e dolorosas do passado (não descarregam os seus fardos e por isso envenenam seu corpo), ou porque são inseguras, medrosas e temem de forma covarde, o dia de amanhã.

Ora, se a vida é efêmera e a gente não sabe por quanto tempo estaremos vivos, se desconhecemos o que acontecerá no momento seguinte, devemos viver a vida com entusiasmo, com intensa energia e sem temores exagerados. Não devemos ter ansiedades por nada e precisamos irradiar companheirismo, amor, cordialidade e simpatia às pessoas que nos rodeiam.

A vida precisa ser alegre, apesar de todos os pesares.

Não se entristeça e nunca desanime com os reveses da vida, porque nunca seremos velhos demais para reconstruir alguma coisa, nunca seremos velhos para amar ou para perdoar ou para afagar alguém.

Insisto em dizer que o que o homem mais precisa é amor!

Se você pensa diferente e se fecha em si mesmo, reclamando de tudo e de todos, reflita o quanto esta forma de viver lhe prejudica e decida que é hora de mudar. Abra-se para o mundo e para as pessoas. Pare de cobrar coisas dos outros, da vida e de você próprio. Cuide com zelo de seu corpo e de sua mente.

Nós somos templos do Espírito Santo e a vida é um dom, um presente maravilhoso de DEUS e por isso é nosso dever conservar sadios o corpo e a mente, pois os males de um, refletir-se-ão infalivelmente no outro.

E olhe sempre para frente. O que passou, passou. É inútil chorar sobre leite derramado e impossível mudar o que já aconteceu. Olhe para frente porque ainda é tempo de apreciar as maravilhas que nos rodeiam.

Ainda é tempo de nos voltarmos para DEUS e agradecermos a benção de ter um coração pulsando no peito. A vida é efêmera, não temos controle sobre ela, mas a vida ainda está em nós. Por isso viva cada dia como se fosse o último e seja sempre feliz porque a passagem do tempo deve ser uma conquista, nunca uma perda.

Amigo, tome esta decisão agora. Querer é a base para vencer!

*Engenheiro Agrônomo pela UFRJ em 1972

-------------------------------------------

AVENTURI 2018 PEQUENOS ADORADORES

Dolane Patrícia*

O Clube de Aventureiro começou sua história em 1972. Em 1990, o plano piloto do Clube foi iniciado nos Estados Unidos, na Divisão Norte-Americana. Em 1991, a Associação Geral da IASD o autorizou, como programa mundial, estabelecendo seus objetivos, currículo, bandeira, uniforme e ideais.

Nesse contexto, surge os Aventuris, grandes reuniões realizadas pela Igreja Adventista do Sétimo Dia para desenvolver atividades pertinentes ao clube de Aventureiros.

A AAMAR realizou um Aventuri nos dias 10 a 14 de outubro de 2018, com o tema Pequenos Adoradores, realizado no Instituto Adventista Agro Industrial, no Município de Rio Preto da Eva-AM.

Desse ponto em diante, passarei a narrar a experiência ali vivenciada por mim e pela Hannah, exatamente como aconteceu:

Foi um evento colossal, foi o primeiro Aventuri da Hannah e minha primeira aventura acima dos “200 graus”. Hannah é aventureira e pertence ao clube Aventureiro Abelhinhas do Rei, do Distrito Central de Boa Vista Roraima.

Saímos todos, em um ônibus confortável com destino aquela que seria a maior aventura de todos os tempos, pelo menos para Hannah e suas amigas de 6 a 9 anos de idade.

Chegamos em Rio Preto da Eva e como não conhecíamos o Colégio Adventista do Amazonas ficamos logo impressionadas pelo tamanho.

Nunca havia estado em um Aventuri então imaginei o refeitório com aquelas bandejas prateadas divididas em um ambiente climatizado e mesas enormes.

Mas era uma área de campo e logo vimos que nossos pensamentos quanto ao local possuíam uma “pequena” divergência da realidade ali encontrada.

Chegou a hora do almoço e não era no refeitório, era um restaurante em meio a uma área de campo e aos poucos foi caindo a ficha que se tratava de um acampamento em plena Amazônia, Hannah então exclamou: Nunca vi um restaurante assim, no meio do “mato”!!!

Mas naquele momento fomos surpreendidos com a organização daquele lugar, uma comida fantástica e um atendimento que beirava a perfeição, um senhor Helson, que pessoa magnífica, a 16ª região, a qual pertencia os Abelhinhas do Rei haviam contratado o Restaurante Vida e Saúde que ofereceu um maravilhoso almoço, ao ponto de não percebermos que a temperatura havia “começado” a esquentar.

Arrumamos as barracas, conhecemos o local e aguardávamos a abertura do evento, quando uma chuva que chegava bem perto do dilúvio, fez com que a mesma fosse adiada para o dia seguinte.

No dia seguinte, era 12 de outubro, Dia da Criança e haveria competição onde todos os clubes deveriam participar das mais diversas e divertidas brincadeiras que caracterizava uma verdadeira aventura na Amazônia.

Hannah participou de todas que conseguiu, almoçamos e a tarde continuavam as brincadeiras entre os clubes de Manaus, diversos outros clubes do interior e os clubes de Roraima, inclusive do interior. Só os Abelhinhas do Rei levaram cerca de 45 integrantes, 78 com os adultos presentes.

À tarde nos deparamos com o sonho da Hannah, descer numa tirolesa. Havíamos ficado na fila boa parte da tarde, os Abelhinhas praticamente renunciaram os outros jogos para poder ir na tirolesa. Eram muitos clubes e quando chegou a vez dos Abelhinhas, foi dada a ordem: Apenas 6 crianças poderiam ir. Gelei!

A diretora do Clube, Meire, um pessoa incrível, fez de tudo para que as crianças pudessem ir na sua totalidade, mas mesmo com o aviso de que apenas seis poderiam ir, os Abelhinhas do Rei estavam ali firmes na fila como se fossem uns “preguinhos”, irredutíveis!

Foi quando perguntei: Senhora não tem como estabelecer critério de escolha, então ela respondeu que havia recebido ordens, perguntei se teria alguém que eu pudesse conversar, um coro disse: Pastor Alan, pastor Alan. Eu não o conhecia, mas passei a procurar por alguém que nem sabia a fisionomia. Deus o colocou então lá na tirorolesa e eu disse: pastor olha aquelas crianças ali, elas nem mexiam naquela fila, não podemos escolher apenas seis.

Foi aí que eu descobri que apesar do mundo estar cheio de pessoas egoístas ainda havia pessoas com caráter semelhante ao de Jesus e ele disse: Aumenta o tempo, deixem todos ir e quem não for coloco de novo pra ir no domingo pela manhã.

As crianças estavam na frente da fila, uma a uma foram subindo na tirolesa, realizando seus sonhos, nunca vi a Hannah tão feliz, conseguia ver a felicidade descendo junto com ela por aquelas cordas, a Adria conseguia sorrir naquele momento, ainda com lágrimas nos olhos, no momento em que estava sendo colocado o equipamento. E todas conseguiram ir, graças à gentileza, a educação, o bom sendo e a sabedoria do pastor Alan.

A abertura aconteceu a noite, quase meia hora de fogos, os clubes entraram um a um, quase 7 mil crianças uniformizadas com as bandeiras do seu clube desfilavam naquele lugar, o cantor Daneil Luddke e sua esposa cantavam as músicas do CD Minha Vida é Uma Viagem e que momento fantástico e inesquecível!!!!

Dia seguinte pastor Alan deu uma palestra para os pais enquanto as crianças passeavam pelo acampamento, uma coisa me chamou atenção: Eu acreditava que o maior investimento que se poderia fazer para uma criança seria a sua educação.

Mas, naquela tarde descobrir que havia um investimento mais importante: “O maior investimento que você pode fazer com seu filho, é passar com tempo com ele, tempo com qualidade”. Mais uma vez pastor Alan marcou nossas vidas com a palestra sobre a importância de ser um pai e uma mãe presente na vida de um filho.

Precisaria de todo papel e tinta do mundo para descrever as emoções daquele Aventuri, mas é necessário destacar que só foi possível porque o presidente da Associação Amazonas Roraima, Pastor Wiglife e sua esposa Euciany, se dedicam demais em tudo que realizam, transformaram em realidade os sonhos de tantas crianças e fizeram felizes tantos pais, realizando o maior evento da vida de nossos filhos, tudo isso porque a AAMAR põe “Amor em tudo que faz”!!!

*Advogada, Juíza Arbitral, Personalidade Brasileira e Personalidade Amazônica. Mestre em Desenvolvimento Regional da Amazônia - WhatsApp: 9111-3740. Acesse dolanepatricia.com.br

-------------------------------------------

Vamos educar

Afonso Rodrigues de Oliveira*

“O bom exemplo é, e sempre será, a melhor didática.” (Moisés Hause)

Vamos iniciar prestando a atenção que no caso do Moisés, o Hause é assim mesmo, com A. Mas isso não tem nada a ver com o papo de hoje. A verdade é que no burburinho em que estamos vivendo os dias de hoje, ainda não fomos capaz de entender que tudo está na falta de educação. Nada é mais ridículo do que ficar esperando que os professores eduquem nossos filhos, quando o dever de educá-los é dos pais, e não dos professores. Os professores ensinam. E nem todos sabem ou não prestam atenção ao fato de que: “A educação é como a plaina: aperfeiçoa a obra, mas não melhora a madeira.” Quando o aluno agride o professor é porque não foi educado em casa.

O que vemos de absurdos ocorridos nas ruas, todos os dias, por adultos mal educados não tá no gibi. E como eles podem educar seus filhos? Caminhar pelas ruas de Boa Vista mostra-nos o quanto estamos deseducados. Vou te dar dois ou três exemplos: recentemente eu ia passando em frente a um depósito de lixo, de um supermercado. Dentro do depósito estavam várias pessoas catando objetos. Uma das pessoas estava bebendo refrigerante em latinha. Quando a bebida acabou, ele pegou a latinha e a atirou para o asfalto. E olha que o cara estava catando lixo num depósito de lixo. Dá pra acreditar?

Ontem, pela manhã, eu ia passando pelo mesmo supermercado. Uma mulher ia saindo com uma sacola de compras. De repente a mulher tirou da sacola, um desses prospectos de propaganda de produtos. Sem parar, ela olhou o catálogo, virou-o, olhou e, acho, não tinha nada que lhe agradasse. Ela simplesmente atirou o catálogo sobre a calçada e se mandou com a sacola de compras.

Mas o maior mau exemplo do descaso, ou incompetência de autoridades responsáveis pela educação está aqui. Bem pertinho de mim. Não sei quem é o responsável que não se responsabiliza. Está aqui, na esquina da Rua Gaúcho Dias, com a Lobo D’Almada. Um bueiro quebrado e entupido, há anos. Já vi gente jogando lixo de todos os tipos dentro dele. Se o “responsável” vier verificar, hoje, vai encontrar garrafa pet, isopor e muito mais, dentro do velho e abandonado bueiro. Como poderemos ser um povo civilizado, sem a Educação? Felizmente estamos chegando à reta final da campanha eleitoral. E até agora não vimos nem ouvimos, nenhum candidato a nenhum poder, falando politicamente de sua preocupação com a Educação do povo, nem deles mesmos. E os diplomados querem resolver os problemas com escolhas hilárias de candidatos hilários. Mas tem que votar, escolhendo o menos ruim. Vamos pensar na Educação. Pense nisso.

*Articulista

afonso_rr@hotmail.com

99121-1460

Opinião
fale@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Opiniao
+ Ler mais artigos de Opiniao