PLAYBOYS DO TRÁFICO
Polícia Federal prende suspeito de liderar tráfico internacional em RR
Gostei (6) Não gostei (1)
O suspeito F. de A. N., morador do bairro Paraviana em Boa Vista, fugiu para Manaus logo após a deflagração da Operação Ponte Aérea
Por Folha Web
Em 28/02/2018 às 20:00
A Polícia Federal prendeu o suspeito em Manaus (Foto: Divulgação)

A Polícia Federal prendeu na tarde de quarta-feira (28/02) em Manaus, o autônomo F. de A. N., morador do bairro Paraviana em Boa Vista/RR.

Ele é o último foragido da Operação Ponte Aérea e suspeito de liderar organização criminosa ligada ao tráfico internacional de drogas, previsto no art. 33 c/c art. 40, I, da lei 11.343/06, lavagem de dinheiro (Lei 9.613/98) e receptação artigo 180 do Código Penal Brasileiro. 

O suspeito fugiu para Manaus logo após a deflagração da operação e, segundo a Polícia Federal em Roraima, desde então se escondia num condomínio de classe média alta onde reside a namorada, que também havia sido presa na operação.

Após investigação incessante e ações de inteligência o foragido da Justiça foi localizado e preso por Policias Federais em Manaus os investigados se valiam da posição social – classes alta e média - para traficar drogas em boates e festas raves frequentadas por jovens com alto poder aquisitivo, bem como empregavam no transporte de drogas pessoas que aceitavam correr o risco de serem presas por uma pequena fração dos lucros que ganhavam.

Normalmente usuários de droga que orbitavam o círculo dos traficantes eram utilizados como “mulas” para esse transporte. Os investigados ostentavam muitos veículos importados e bens adquiridos com dinheiro ilícito.

O modus operandi dos investigados consistia na aquisição da droga conhecida como “skunk” em Manaus e no transporte da droga, por via terrestre, até Boa Vista/RR, com posterior remessa para as regiões sul e sudeste em voos domésticos, na maioria das vezes pelas mesmas “mulas” que receberam a droga na capital amazonense.

Nas capitais do sul e sudeste eram adquiridos veículos importados objetos de crime para revenda no norte do Brasil.

Na ocasião foram cumpridos 09 Mandados de Prisão Preventiva, 09 Mandados de Busca e Apreensão, bem como o sequestro de bens de 10 investigados, decorrente de ordens judiciais deferidas pela Justiça do Estado de Roraima após representação em Inquérito Policial.

As medidas judiciais foram cumpridas em Boa Vista/RR, Manaus/AM e Florianópolis/SC.

145 quilos de droga em Boa Vista

Em um ano de investigação foram apreendidos, apenas no Aeroporto de Boa Vista, 145 kg da droga e 15 transportadores foram presos em flagrante. Dois dos presos confessaram que estavam a serviço da associação criminosa alvo da operação e os demais ficaram em silêncio.

O principal destino da droga era o estado do Paraná, de onde o skunk era redistribuído para São Paulo e Santa Catarina, região de onde retornavam as “mulas” trazendo drogas sintéticas, mais fáceis de serem dissimuladas na bagagem.

As apreensões de drogas cresceram nos aeroportos de todo o Brasil e em Boa Vista não foi diferente. O skunk, conhecido também como “maconha de rico” ou “supermaconha” tem teor de THC, principal componente ativo da droga, sete vezes maior do que da maconha regional.

O preço do skunk no mercado criminoso é bem maior do que o da variedade mais popular e chega se equiparar ao da pasta base de cocaína, razão de ser consumido apenas por pessoas com maior poder aquisitivo.

Além das 15 “mulas” presas no Aeroporto Internacional de Boa Vista, das quais pelos duas quebraram o código de silencio e admitiram que estavam a serviço da associação criminosa, foram presos no curso da investigação 4 integrantes que vendiam droga no varejo e no atacado e outros 2 na posse de uma pistola Glock de fabricação austríaca e carros de luxo roubados no estado de São Paulo.

Houve apreensão de drogas, veículos, jóias e valores em reais e dólares, com prisão em flagrante em três domicílios investigados em Boa Vista/RR, com três presos em flagrante conduzidos para a Polícia Federal.

Qualquer pessoa pode denunciar tráfico de drogas à Polícia Federal em Roraima através do telefone 95-36211500.

Adailton Silva Oliveira disse: Em 28/02/2018 às 18:23:13

"Eai, cadê aqueles idiotas que defendem que bandido bom é bandido morto, eu não acredito que eles tão cagando, ou será que o administrador dessa página ta se acovardado em não expor as opiniões."