MUNDO
Duplo atentado deixa pelo menos 38 mortos na Turquia
Gostei (0) Não gostei (0)
Os ataques ocorreram no sábado. 10. Autoridades suspeitam da participação do Partido dos Trabalhadores do Curdistão PKK
Por Folha Web
Em 11/12/2016 às 10:10
Turquia decretou luto nacional após os atentados deste sábado (Foto: Sedat Suna/Agência Lusa/EPA)

A Turquia decretou neste domingo, 11, luto nacional após duplo atentado no centro de Istambul. O último balanço de vítimas, publicado pelo Ministério do Interior elevou para 38 o número de mortos.

Mais de 160 pessoas ficaram feridas na dupla explosão na noite de ontem, 10, nas proximidades do estádio do clube de futebol turco Besiktas. A ação ainda não teve autoria reivindicada, mas as autoridades locais suspeitam que o Partido dos Trabalhadores do Curdistão PKK tenha organizado o ataque.

As explosões visaram às forças policiais, que são maioria entre as vítimas. Entre os 38 mortos no ataque, 30 eram policiais e sete civis. A identidade da última vítima ainda não foi confirmada.

O primeiro carro-bomba atingiu um ônibus da polícia nos arredores do estádio do Besiktas, depois do fim da partida contra o Bursaspor. A segunda explosão, provocada por um homem-bomba, ocorreu menos de um minuto depois em um parque dessa região turística de Istambul, localizada entre a emblemática Praça Taksim e o antigo palácio imperial de Dolmabahçe.

"As explosões tinham como objetivo causar o maior número possível de vítimas", disse o presidente Recep Erdogan. O presidente turco cancelou neste domingo uma viagem que faria ao Cazaquistão.

A Turquia foi alvo de vários ataques nos últimos anos, reivindicados pelo grupo Estado Islâmico ou pelos rebeldes separatistas curdos do PKK. As autoridades turcas afirmam que os primeiros elementos da investigação indicam o PKK como responsável pela dupla explosão deste sábado. Os ataques contra forças policiais são uma marca dos separatistas curdos.

O país, que integra a coalizão internacional que combate o grupo Estado Islâmico, iniciou em agosto uma ofensiva no norte da Síria, que faz fronteira com o país, para pressionar os jihadistas em direção ao sul. As forças curdas também estão envolvidas no conflito sírio.

Com informações da Agência Brasil.

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!