DENÚNCIA
Femarh vai encaminhar equipes para verificar situação do Rio Uraricoera
Gostei (0) Não gostei (0)
Por Folha Web
Em 02/02/2018 às 01:41
Chefe de Fiscalização Ambiental da Femarh, Yuri Lima: “A partir do momento que tomamos conhecimento do problema, articulamos uma fiscalização na região” (Foto: Hione Nunes)

A denúncia de um grupo de pescadores e ribeirinhos que moram no município de Amajari, em relação à poluição de uma suposta área de garimpo ilegal, instalada na divisa dos rios Amajari e Uraricoera, motivou a Divisão de Fiscalização Ambiental da Fundação Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Femarh) a deslocar para a região na manhã de hoje, 2, uma equipe de técnicos e servidores do órgão para realizar uma inspeção no leito do rio e identificar a causa da modificação da cor da água.

De acordo com o chefe da Fiscalização Ambiental da Femarh, Yuri Lima, a partir do momento que a equipe teve conhecimento da divulgação de um vídeo em que pescadores relatam este problema, atribuindo a uma possível exploração ilegal de garimpo na região, e o despejo de material químico, ocasionando a poluição do Rio Uraricoera e parte do Rio Amajari, foi articulado de imediato o deslocamento de toda a equipe técnica para o local, e assim procederem à inspeção dos rios, coletando amostras do local.

“A equipe de Recursos Hídricos estará se deslocando nesta sexta-feira, 2. Vai verificar as causas deste problema e realizar a coleta de várias amostras da água, analisando a turbidez, o PH e outros elementos químicos. Em seguida, vamos mandar para análise e então verificar o que de fato está causando este problema. Por enquanto, não podemos emitir nenhum parecer sem saber os resultados das coletas. Depois poderemos determinar se existe realmente algo que comprove a poluição em razão de algum elemento químico em contato com a água, ou algum fator natural”, informou.

Yuri acrescentou que, por se tratar de uma área de difícil acesso, com inúmeras cachoeiras, as equipes podem demorar para realizar toda esta coleta, mas a expectativa é o quanto antes realizar todos os procedimentos de verificação e testagem do material hídrico que será coletado. Para esta ação está sendo articulado o apoio da comunidade que conhece o local para orientar o deslocamento dos técnicos até a área em que esteja ocorrendo este problema.

PLANEJAMENTO HÍDRICO – De acordo com o chefe da Divisão de Planejamento Hídrico, Rogeano Gonçalves, a Femarh mantém um contrato desde 2015 junto ao Programa de Estímulo à Divulgação de Dados de Qualidade de Água (QUALIÁGUA) em conjunto com a Agência Nacional de Águas (ANA), e vários pontos de coletas estão instalados em diversos municípios, com o objetivo de realizar comparativos, e encaminhar aos órgãos ligados ao meio ambiente qualquer indício de alteração que possa desencadear um desiquilíbrio ambiental.

“Já estamos no quarto período de certificação coletando os dados dos rios existentes em Roraima. Este trabalho é fundamental para o comparativo de dados, para a identificação das possíveis alterações na qualidade da água. São vários elementos que analisamos e incluímos em um banco de dados. Com este trabalho de campo que estaremos realizando na confluência do rio Uraricoera com Amajari, onde nos foi relatado este problema, será fácil identificar as causas da alteração da água na região”, detalhou.

DENÚNCIA – Qualquer pessoa pode realizar a denúncia de algum problema que esteja ocorrendo na sua localidade, ligando para o número 2121- 9165, ou pessoalmente até a sede da Femarh, localizada na avenida Ville Roy, 4935, São Pedro, e procurar a sala de fiscalização ambiental. (R.G)

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!