Por Opinião
Em 16/12/2017

MUITA TRISTEZA E CRUELDADE NO NATAL - Vera Sábio*

É com muito pesar que escrevo este texto, nesta data tão linda. No entanto é preciso abrir os olhos, os ouvidos e o coração para que, com muita força e sabedoria, possamos ter um novo ano melhor.

Não tem como avançarmos sem observar e corrigir as atitudes do passado e principalmente o que vimos agora, onde a violência vem piorando e as prioridades sendo deixadas de lado em nome das belezas e enfeites natalinos, muitas vezes deixando de lado a saúde, segurança e a educação, como estamos vendo.

Nesta semana presenciou-se também a morte de pelo menos 5 pessoas. Pessoas mortas por tiros e facadas, com todos os requintes de crueldade, divulgados em vídeos em meios de comunicação.

Mulheres agindo no crime da mesma maneira que os homens e pessoas de sangue frio que não respeitam a vida. E o pior é ver vários meios de comunicação divulgarem no horário de almoço terríveis cenas como se isso fosse normal. Estão banalizando a vida!

Fica aqui a pergunta: será que estas manifestações de violência pública expostas e divulgadas colaboram de alguma forma para a paz?

Sócrates já dizia que antes de qualquer divulgação é preciso colocar os atos para passar em três peneiras: verdade, importância e necessidade.

Infelizmente é verdade o que aconteceu, é também muito importante verificar o quanto as pessoas estão se tornando monstruosas e desumanas, mas não é necessário que esta divulgação seja livre para qualquer pessoa olhar como se fosse um abate de animais.

Até que ponto o sensacionalismo tem sentimento de compaixão, de responsabilidade pelo sentimento daqueles frágeis para cenas tão fortes?

E principalmente, até que ponto a divulgação de cenas tão cruéis e violentas colabora para a paz existir?

Mais uma vez repito, temos que saber votar, temos que prestar muito atenção em políticos que valorizam mais as aparências do que as necessidades primordiais e básicas de um povo sofrido e carente de tudo, inclusive de um natal, de um renascimento de bons sentimentos e de boas ações para com o próximo.

Não é preciso olhar a violência, para saber que ela existe. É sim urgente termos ações concretas que combatam o crime, para renascer em nós o espírito natalino, que nos traz esperança no futuro.

Que Deus nos abençoe, nos proteja e nos livre de tanto mal.

*Psicóloga, palestrante, servidora pública, esposa, mãe e cega
CRP: 20/04509
vera.sabio@tjrr.jus.br


A melhor sala de aula - Ronaldo Mota*

O mundo aí fora é, de fato, a melhor sala de aula que existe. Ele contém todos os elementos de que o processo ensino-aprendizagem precisa para explorar e explicar todas as áreas do conhecimento. Afinal, não há melhor laboratório para ciências naturais do que o ambiente aberto. Podemos, sim, aprender ótica vendo um arco-íris, estudar reações químicas na atmosfera ou estudar biologia observando os animais e as plantas como eles efetivamente são.

Claro que há e sempre haverá espaço para as salas de aula, sejam elas presenciais ou à distância, como locais para sistematização, exploração de modelagens e cristalização dos conhecimentos adquiridos. Porém, se educação puder ser conjugada com atividades no mundo exterior, certamente ela será mais enriquecedora e estimulante aos olhos dos educandos.

No ensino superior, uma experiência recente levou a abordagem acima às últimas consequências e tem sido acompanhada como um caso de extremo sucesso. Trata-se da Universidade Minerva, em São Francisco-USA, no Vale do Silício. Criada em 2012, ela não tem um campus tradicional, não dispõe de salas de aula, bibliotecas ou laboratórios. Ela adotou as ruas como seus campi e o fez, até aqui, com muita pertinência. Os estudantes compartilham dormitórios da instituição e as aulas, especialmente ao longo do primeiro ano comum, são videoconferências desenhadas pelos melhores tutores disponíveis na atualidade. Refiro-me a nomes como Larry Summers, ex-reitor da Universidade Harvard e ex-secretário do Tesouro americano; Ben Nelson, grande executivo com passagens pela HP, Snapfish e Disney; o conhecido neurocientista Stephen Kosslyn, uma das maiores autoridades do mundo em psicologia cognitiva, entre outros. Em suma, o desenho da trajetória desses alunos ao longo de quatro anos de graduação é fruto da contribuição de pessoas altamente capazes de interpretar o mundo contemporâneo.

Nos três anos seguintes ao primeiro ano em São Francisco, todos os alunos devem passar seis meses em seis cidades diferentes do mundo (Berlim, Buenos Aires, Seul, Bangalore, Londres e Istambul), cumprindo o desenho previsto nos respectivos percursos, os quais foram desenhados, bem como serão acompanhados, por seus mestres. Os custos para os alunos são muito acessíveis, comparados com instituições similares, e incluem todas as despesas com acomodações e alimentação. Difícil para o aluno é ser selecionado, dado que a concorrência é altíssima, bem maior do que Harvard, Yale, MIT, Stanford etc. Obviamente que os primeiros formandos da Minerva serão disputados pelo mercado por seus diferenciais impressionantes, a começar pela experiência internacional sem precedentes no ensino superior clássico. Vale a pena acompanhar, de olhos bem abertos, esta experiência (https://www.minerva.kgi.edu/).

No Brasil, temos experiências igualmente interessantes na educação não formal. Por exemplo, o “Rolé Carioca”, iniciado por professores de história da Universidade Estácio de Sá, desenvolve passeios históricos ao ar livre por bairros do Rio, contribuindo com que os participantes se situem histórica e geograficamente de forma muito enriquecedora. Eu mesmo, novato no Rio, tenho sido aplicado aluno destas atividades que reúnem dezenas, centenas, às vezes até milhares, de animados participantes. Há uma ênfase na descrição comentada dos conjuntos arquitetônicos, associados de forma muito criativa aos bens imateriais do ambiente, tais como personagens, acontecimento, cheiros e sabores. Para quem quiser saber mais, acessar https://www.facebook.com/RoleCarioca. Soube que vem aí algo do tipo “Rolé Brasilis” ou mesmo “Rolé Mundo”. A conferir.

Em suma, aprender é sempre bom. Se puder ser em contato com o mundo externo fica muito mais prazeroso e eficiente.

*Ronaldo Mota é chanceler da Estácio


Sobre verdades e mentiras - Oscar D'Ambrosio*

Os debates sobre verdades e mentira vêm ganhando cada vez mais espaço numa sociedade marcada pela chamada pós-verdade e pelo poder das redes sociais e da internet de disseminar tudo o que se possa imaginar. Nesse contexto, o filme 'Negação' ('Denial', de 2016), é simplesmente obrigatório para quem se debruça sobre o tema.

Dirigido por Mick Jackson, é baseado na obra de Deborah Lipstadt que dramatiza o caso Irving vs Penguin Books Ltd, no qual ela, estudiosa do Holocausto, foi processada pelo negacionista do massacre de judeus David Irving numa ação de difamação. Pelas leis inglesas, ela teve que provar que o autor manipulou evidências históricas.

Mais do que isso, Irving foi considerado antissemita e racista, o que o teria levado a distorcer a história sobre o papel de Hitler no Holocausto, retratando-o de forma favorável. O processo, assim como o filme, mostra a diferença entre liberdade de expressão e de opinião e interpretações mentirosas e deturpadoras da realidade para fins próprios.

O filme trata-se de uma referência para um melhor entendimento também do funcionamento dos tribunais e de como a lógica é mais importante do que a emoção em certas ocasiões formais e burocráticas. Uma estratégia muito bem elaborada foi fundamental para que os fatos históricos fossem colocados na sua dimensão e lugar, por mais assustador que isso seja. Afinal, lembrar é preciso para nunca repetir.

*Doutor em Educação, Arte e História da Cultura e Mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da Unesp, onde atua na Assessoria de Comunicação e Imprensa.


Maneire na habilidade - Afonso Rodrigues de Oliveira*

“A felicidade é alcançada quando a pessoa está pronta para ser o que ela é”. (Erasmo de Roterdã)

Quer uma sugestão de amigo? Nunca fique alardeando suas habilidades artesanais, domésticas, ou seja, o que for. Se você é do tipo João-faz-tudo, modere-se. Continue fazendo o que sabe fazer, mas limite-se à sua jurisdição doméstica. E mesmo assim você vai ter um bocado de aborrecimentos quando sua mulher começar a fazer sua mídia entre as vizinhas, e seus próprios parentes. Cara, você nunca mais vai ter sossego. Quanto a mim, e por isso falo de cadeira, vivo a vida toda consertando coisas dentro de casa. Mudando o botijão de gás, consertando a torneira, juntando folhas secas no quintal e por aí afora. E se você cair na besteira de se envaidecer com isso, ou seja, com suas habilidades geniais, é ingenuidade. Vá por mim, cara.

Tenho uma família enorme. São irmãos pra dedéu. No mesmo bonde vêm os filhos, netos, bisnetos, um exército da paz. Mas o diabo é que todos conhecem e se ufanam de minhas habilidades de consertador. E vão além. Fazem questão de alardear isso para todos os pontos colaterais, para meu desespero.

Se você for como eu, procure ser como eu sou. Não vá cair na asneira de recusar um pedido de algum parente para você consertar alguma coisa. O melhor mesmo é você assumir sua condição de felizardo azarado, e levar tudo numa boa. Porque a Natureza vai se incumbir de fazer com que você nunca mais se livre desse pesadelo. Até mesmo quando nada aponta para um convite ou pedido de préstimos, a Natureza manobra as coisas direitinho, para que você acabe debaixo de uma cama, consertando alguma coisa; debaixo de uma geladeira, numa gelada dos diabos, ou simplesmente trocando um botijão de gás, no fogão.

Certo dia, eu estava na casa de uma de minhas irmãs, em São Paulo. De repente, e com o maior carinho, uma de minhas sobrinhas aproximou-se e falou com a desenvoltura de quem já me conhece:

- Til...vou fazer um bolo pro senhor. Só pro senhor. Que sabor prefere?

Esse til é conhecido sotaque paulistano. E respondi bizarro:

- Dexavê... sugira...

- Tá bom, e a cobertura? O que prefere?

- Dexavê... aceito sugestão.

- Tudo bem... Vou fazer de chocolate com cobertura de chocolate. Tá bom assim?

- Tá bótimo.

Barulho de batedeira, aroma de aromático e dali a pouco um cheirinho gostoso de bolo assando. Tava bom pra dedéu, até que ouvi um grito:

- Tiiiill!!... O senhor nem imagina!... Acabou-se o gás! Dá pro senhor vir trocar o botijão pra mim? Senão o bolo vai solar!

Levantei-me num pulo e em poucos minutos o bolo estava assadinho da silva e gostoso pra dedéu. Pense nisso.

*Articulista
afonso_rr@hotmail.com
99121-1460

Opinião
jesse@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!