CRISE MIGRATÓRIA
Venezuelanos serão transportados em avião da FAB para o Amazonas e São Paulo
300 venezuelanos estão sendo cadastrados para embarcar na próxima terça-feira, 27
Por Folha Web
Em 23/02/2018 às 21:00
(Foto: Pesquisa por imagem)

Um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) vai ser usado para transportar, para São Paulo e Amazonas, refugiados venezuelanos que atualmente vivem em abrigos e espaços públicos de Roraima.

Os imigrantes que comprovarem ter capacitação profissional — como médicos, engenheiros e professores — vão ter prioridade nessa primeira leva de "interiorização", como o governo federal está chamando a transferência dos venezuelanos para outros estados. Trezentos venezuelanos estão sendo cadastrados para, já na próxima terça-feira, embarcarem para São Paulo.

A informação foi divulgada pela governadora de Roraima, Suely Campos, logo após um encontro dela com o presidente Michel Temer, na manhã desta sexta-feira. A governadora passou os últimos três dias em Brasília, em busca de apoio financeiro para arcar com o custos do fluxo migratório.

— Nosso estado está com dificuldade fiscal, por conta do impacto imigratório, mas também do aumento da dívida pública e do custo do duodécimo dos poderes. Isso vem sufocando o estado, por isso é preciso que a União ofereça socorro para Roraima sair dessa situação — explicou Suely Campos.

A governadora diz que aumentou em 100%, em 2018, a demanda por matrículas nos colégios públicos do estado. Na saúde, a imigração em massa refletiu no aumento de 2.000% dos atendimentos, segundo Suely.

— Nossa população cresce, e nós temos que aumentar a prestação de serviço. Eu fiz uma visita ao Hospital Geral e, naquele momento, estavam internados 40 venezuelanos — afirmou.

Em entrevista ao GLOBO, a governadora disse que também pediu apoio ao governo para melhorar a patrulha na fronteira. Reconheceu que investigações policias recentes identificaram a atuação do crime organizado (especialmente a facção criminosa PCC) no recrutamento de venezuelanos na fronteira com o Brasil.

— Quando o ministro da Defesa esteve em Roraima, nós informamos a ele o que nossas polícias detectaram em relação ao crime organizado. Sobre a conexão do crime organizado de Roraima com o da Venezuela e o aliciamento de venezuelanos lá na fronteira, na cidade de Pacaraima. Os mais vulneráveis são recrutados pelo crime organizado, sendo que o PCC recruta em maior quantidade — destacou.

A governadora afirma que, desde o início de 2017, tem pedido ajuda ao governo federal para resolver o problema migratório. Questionada sobre se o governo federal demorou a agir, Suely disse que “sim”, mas minimizou:

— Certamente houve uma demora. Mas o importante é que eles chegaram, e que a equipe de governo e o próprio presidente assumiram essa questão, que é tão complexa e que o estado não poderia resolver só. Nem estado, nem o município, nem ninguém. Essas fronteiras têm um problema muito forte do tráfico de drogas, e isso é também uma questão de segurança nacional. O governo federal tem que assumir — disse.

O governo de Roraima teme ainda que aconteça um colapso no sistema de energia do estado, que é 70% abastecido por hidrelétricas da Venezuela. Segundo ela, as linhas elétricas que vem do país de Maduro estão “completamente sucateadas”. Isso soma-se ao fato de Roraima ser o único estado do país que não está integrado no sistema nacional de energia.

Suely cobra ainda a instalação de um barreira sanitária na fronteira, assim como aumento do efetivo do Exército para fiscalizar as cabriteiras (passagens clandestinas de imigrantes abertas na fronteira seca).

#oglobo

Gilvan Resplandes disse: Em 28/02/2018 às 10:08:49

"já vão tarde....."

iracundo disse: Em 27/02/2018 às 21:26:43

"Com essa mordomia toda, vão é incentivar a vinda de mais venezuelanos para RR. por que não restringem a fronteira antes de iniciarem essa leva, que só vai onerar mais o bolso do brasileiro."

Manuel disse: Em 27/02/2018 às 14:16:39

"O correto seria para caracas... O quê estes estados fizeram de errado para merecer a punição?"