SETOR IMOBILIÁRIO
Três são presos acusados de golpe de R$ 6 milhões
Os infratores respondem a 24 inquéritos policiais
Por Folha Web
Em 07/03/2018 às 17:00
A Polícia informou que cerca de 48 pessoas foram vítimas da família de estelionatários (Foto: Divulgação)

Um Sargento da Aeronáutica, a esposa e a mãe foram presos pela Polícia Civil nesta quarta-feira (7) acusados de aplicar golpes de venda no setor imobiliário. Segundo a Polícia, o prejuízo chega a R$ 6 milhões e um dos envolvidos que seria o dono da empresa está foragido. As informações foram dadas durante Coletiva de imprensa na tarde dessa quarta-feira (07)

A Polícia informou que cerca de 48 pessoas foram vítimas da família que agia principalmente nos bairros Caçari, zona Leste, Paraviana, zona Norte, e Centenário, na zona Oeste.

As vítimas assinavam um contrato ficticío com a empresa Imobiliária para construção, reforma e venda de imóveis e terrenos que nunca foram entregues. "As vítimas chegaram a depositar parte do dinheiro, porém em seguida, os representantes da Imobiliária não davam retorno" informou delegada-geral Edineia Chagas.

Para ganhar a confianças dos clientes, o sargento da Base Aérea de Boa Vista se passava por capitão e ostentava uma vida de luxo.

“Essas pessoas estavam sendo investigadas pela Delegacia de repressão a Crimes de Administração Pública há cerca de seis meses, a medida que as vítimas iam procurando a delegacia. Contra os infratores existem 24 inquéritos policiais. Acreditamos que ainda existam mais vítimas que após essa prisão devam procurar a Polícia. Esse crime pode caracterizar um crime de organização criminosa”, explicou.

Os mandados de prisão preventiva foram emitidos pela Vara de Entorpecentes e Organizações Criminosas. Os sargento ficará preso na Base Aérea de Boa Vista, enquanto mulheres foram levadas para a Cadeia Pública Feminina.

pimpolho disse: Em 07/03/2018 às 17:48:25

"Engraçado que o governo usa do artifício de recolher dos salários dos servidores as parcelas de financiamentos diverso e não repassam.aos bancos!até aonde eu sei isto é apropriação indebta"