DESPERDÍCIO
Servidores de hospital flagram descarte indevido de medicamentos
Enquanto postos de saúde do município estão desabastecidos, Prefeitura teria descartado dezenas de caixas de remédios que não foram enviadas às unidades
Por Luan Guilherme Correia
Em 08/03/2018 às 00:51
Descarte teria sido feito no Hospital Regional Sul Ottomar de Souza Pinto (Foto: Reprodução)

Enquanto a população sofre com a falta de medicamentos nas unidades básicas de saúde de Rorainópolis, região sul de Roraima, servidores de um hospital do município flagraram o desperdício e descaso com a saúde pública com o descarte irregular de ao menos 50 caixas de remédios que deveriam atender a demanda daquela localidade.

Conforme denúncia recebida pela reportagem da Folha, os lotes de remédios que estariam em falta nos postos de saúde do município foram jogados no lixo pela Prefeitura de Rorainópolis. Os medicamentos descartados eram antibióticos, como amoxicilina, além de outros utilizados por diabéticos e hipertensos. Alguns estariam com validade vencida, mas outros só venceriam em maio.

A denúncia aponta que, apesar de os medicamentos serem de responsabilidade da Prefeitura, o descarte teria sido feito no Hospital Regional Sul Ottomar de Souza Pinto, localizado na sede do município e gerido pelo Governo do Estado. Segundo uma servidora do hospital, que preferiu não ser identificada, muitos medicamentos que foram jogados no lixo estão em falta aos pacientes que necessitam.

“Se uma pessoa for a qualquer posto de saúde daqui não tem um paracetamol. A minha mãe é hipertensa e tenho que pegar receitas com colegas para poder comprar, porque não tem nos postos. São medicações necessárias, que sempre têm pacientes que necessitam. É difícil vermos uma situação dessa e ficarmos calados”, disse.

Conforme ela, os servidores da unidade se surpreenderam ao verem a quantidade de medicamentos sendo desperdiçada. “O próprio carro da prefeitura que veio até o hospital deixar as caixas para serem jogadas no lixo.

Ficamos abismados com aquilo. Queremos que o Ministério Público verifique o motivo desses remédios não terem sido entregues à população, pois enquanto necessitamos de medicamentos a Prefeitura joga fora”, relatou.

OUTRO LADO – Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde de Rorainópolis informou que os materiais se tratam não apenas de medicamentos com datas de validades vencidas, mas também de lixo hospitalar (perfurocortantes) e que, após serem catalogados, foram recolhidos para descarte, uma vez que não poderiam mais permanecer disponíveis nas unidades de saúde do município.

“Informamos ainda que os medicamentos são oriundos de doações e que vieram com prazos de validade muito curto, o que levou à ação de descarte por parte da Secretaria de Saúde, que é o setor responsável para tal”, afirmou.

Já a Secretaria Estadual de Saúde (Sesau) esclareceu que possui contrato com empresa para realização de descarte de material hospitalar de todas as unidades de gestão estadual do interior e da capital, conforme parâmetros sanitários e ambientais exigidos. Informou, porém, que o descarte dos medicamentos feito na unidade foi realizado sem a autorização da secretaria ou da administração do Hospital Regional Sul e, após denúncia feita diretamente à Sesau, a Prefeitura recolheu as caixas de medicamentos. (L.G.C)

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!