MANDADO DE PRISÃO
Polinter prende membro de facção suspeito de decapitar adolescente
Por João Barros
Em 08/03/2018 às 00:29
Foto: Divulgação

Na terça-feira, dia 6, agentes da Polícia Interestadual (Polinter), em parceria com policiais civis da Delegacia de São João da Baliza, município da região Sul do Estado, coordenados pelo delegado Uziel Castro, deram cumprimento a um mandado de prisão contra V.C. de A., de 25 anos, vulgo “Negão”, por ter sido um dos autores da execução de um adolescente, em São Luiz, na noite do dia 12 de janeiro deste ano. O menor assassinado estava foragido do Centro Socioeducativo.

O indivíduo foi preso no bairro Jardim Caranã, zona Oeste da Capital em decorrência do pedido de prisão preventiva, cujo mandado foi expedido pelo juiz da Comarca de São Luiz. O preventivado é membro de uma organização criminosa que atua dentro e fora das unidades prisionais do Estado, é tido pela polícia como alguém de acentuada periculosidade, uma vez que pesa contra ele a acusação de ter participado ativamente da morte do menor, juntamente com outros indivíduos que podem somar uma dezena, dentre os executores provavelmente estão alguns adolescentes.

Na ocasião, a namorada da vítima, de 17 anos, também foi atacada a golpes de faca. Os crimes foram realizados com requintes de crueldade, considerando que o menor e a namorada, por supostamente pertencerem à organização criminosa rival, passaram mais de 24 horas sequestrados, foram submetidas a diversas sessões de tortura e privações, até o momento da execução dos crimes numa vicinal, onde o adolescente foi decapitado a golpes de terçado, além de ter o coração arrancado.

A namorada dele só não foi assassinada porque se fingiu de morta, conseguindo se levantar depois de um tempo, apesar de ter perdido muito sangue, e procurou ajuda de quem morava em sítios próximos.

O bando apontado pelo crime segue processado por homicídio qualificado e tentado por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa do adolescente, mas ainda por cárcere privado majorado, pelo grave sofrimento físico e mental, destruição parcial de cadáver, vilipêndio a cadáver, corrupção de menores e organização criminosa.

Alguns dos indiciados no homicídio estão presos e as diligências prosseguem. A Polinter ressaltou que “Negão” não reagiu à prisão e foi levado à delegacia para procedimentos legais e, posteriormente submetido a exame de integridade física no Instituto de Medicina Legal (IML) para então ser recolhido à Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (Pamc), na zona Rural.

A Polícia Civil reforça que, outros mandados devem ser cumpridos nos próximos dias. Quem tiver informações sobre o paradeiro de foragidos da Justiça deve entrar em contato com os números de telefone 190, 197 ou diretamente com a Polinter, pelo número (95) 99142-9017. A identidade do denunciante será mantida em absoluto sigilo. (J.B)

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!