CASA FORTE
Ipem fiscaliza fabricação de tijolos e telhas em Boa Vista
Após concluírem todas as fiscalizações na capital, a equipe do Ipem fará inspeções nas olarias sediadas no interior
Por Folha Web
Em 17/04/2018 às 01:16
Na primeira olaria fiscalizada, foi lavrado um ato de interdição de mais de 30 mil telhas e tijolos (Foto: Hione Nunes)

O Instituto de Pesos e Medidas de Roraima (Ipem), em parceria com a Polícia Militar de Roraima, está realizando durante toda esta semana a operação “Casa Forte”. A ação visa fiscalizar todas as olarias sediadas na capital, com a finalidade de verificar se elas atendem às recomendações de fabricação de tijolos e telhas conforme especificado pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

Segundo o agente técnico do Inmetro, Wiston Márcio, que coordenou a operação, de acordo com a Portaria nº 558/2013 do Inmetro, os tijolos e telhas devem possuir informações gravadas em uma de suas faces externas, de forma visível, em baixo relevo, contendo as seguintes informações: identificação do fabricante (CNPJ e razão social ou nome fantasia); lote ou data de fabricação; dimensões nominais em centímetros, na seguinte sequência: largura, altura, comprimento; telefone do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC).

“Estamos realizando esta operação simultânea em todo o país, que visa verificar possíveis irregularidades na fabricação de tijolos, telhas e materiais de construção que estejam em desacordo com as normas de produção em vigor pelo Inmetro. Nesse primeiro momento, vamos visitar todas as indústrias existentes em Boa Vista e, em seguida, vamos partir para o interior e realizar a mesma operação. Estamos com uma equipe composta por quatro fiscais, e temos o apoio da Polícia Militar, para nos dar suporte nas fiscalizações que serão realizadas durante esta semana e também no nosso deslocamento até o interior”, disse.

O foco da operação na manhã de ontem, 16, foram as empresas localizadas no bairro Treze de Setembro. Na primeira visita, foi constatado que os tijolos e telhas produzidos não continham as especificações gravadas na parte externa e, de imediato, foi lavrado um ato de interdição de telhas e tijolos, que juntos somaram mais de 30 mil peças, os quais não podem mais ser vendidos, por não conterem as dimensões de largura e tamanho, bem como a razão social e o telefone de atendimento ao consumidor da empresa.

“Nossa meta inicial na capital é verificar em torno de 10 polos de produção de tijolos e telhas, mas, como vamos concentrar estas fiscalizações na parte da manhã e algumas no período da tarde, devemos ultrapassar esse número. Nesta empresa que visitamos, será feito um documento de apreensão especificando toda a quantidade que não poderá mais ser comercializada e estaremos orientando os responsáveis quanto às adequações que devem ser efetivadas nas próximas produções para que atendam às normas técnicas de produção, conforme exigência da legislação em vigor”, relatou Wiston Márcio.

Empresário afirma que produção
atende especificações do Inmetro

O gerente de uma das empresas que foram inspecionadas pelo Ipem, Leonídio Júnior, detalhou que toda sua produção atende todos os padrões de especificações conforme exigência do Inmetro, a única adequação a ser feita é quanto às informações que devem constar nas peças que são produzidas.

“Assim que os fiscais foram a nossa empresa, de imediato procurei o órgão e, de posse das recomendações que serão repassadas através do laudo de fiscalização, providenciaremos as adequações o quanto antes. Quero ressaltar que estamos a exatamente 30 anos no mercado e nunca tivemos nenhuma reclamação de nenhum cliente, pois zelamos pela qualidade e temos um padrão de produção consolidada em Roraima”, ressaltou.

Leonídio Júnior comentou que quando começou a se discutir estas mudanças, em 2014, ele procurou o Ipem e foi informado que o órgão ainda iria receber a portaria da regulamentação da lei com as devidas mudanças e em seguida iria repassar às indústrias de produção de telhas e tijolos as devidas recomendações. “Como tivemos a iniciativa de procurar o Ipem, ficamos aguardando quais adequações precisariam ser incorporadas a nossa produção, já que todas as medidas de fabricação de telhas e tijolos atendem ao padrão nacional”, explicou.

Quanto ao material apreendido, será levado para a propriedade da família e será para uso próprio, pois não serão mais comercializados. A empresa já está aguardando o laudo do Ipem para a confecção do carimbo contendo as devidas especificações. (R.G)

***
Gostou?
0
0
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!