MUNICÍPIO DE BOA VISTA
Índice de infestação de dengue, zika e chikungunya diminui em BV
Por Paola Carvalho
Em 28/10/2017 às 01:07
População deve continuar mantendo os terrenos e quintais limpos (Foto: Hione Nunes)

O município de Boa Vista reduziu os índices de infestação e passou de alto para médio risco de transmissão de dengue, zika e chikungunya, conforme dados do 4º Levantamento de Índice Rápido de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), divulgados na quinta-feira, 26. A Capital consta agora com índice de 2,8% para doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. No último LIRAa, divulgado em julho, a Capital havia sido classificada com alto risco de transmissão, com índice de 10,7%.

Conforme a Prefeitura de Boa Vista, o levantamento do 4º LIRAa foi realizado em 6.087 imóveis localizados em 51 bairros da capital. Dos bairros avaliados, 15 se encontram com alto índice de infestação, 25 com médio risco e 11 com baixa infestação pelo mosquito.

O levantamento aponta que os bairros com maior índice de infestação são na maioria localizados na zona oeste de Boa Vista, sendo eles: Calungá, Cauamé, Aeroporto, Bela Vista, Buritis, Santa Luzia, São Francisco, Caranã, Centenário, Nova Cidade, Cinturão Verde, Santa Tereza, Distrito Industrial, São Pedro e Aparecida. Durante a análise das residências, foram encontradas larvas do mosquito em 175 depósitos, entre eles, caixa d'água, tambor, alvenaria, tonel, barril, vasos, pratos, frascos com plantas, bebedouros e objetos religiosos.

AÇÕES DE COMBATE – Para a Prefeitura de Boa Vista, as ações de combate ao mosquito são o motivo da redução dos índices de transmissão. “As ações são periódicas e planejadas levando em conta os bairros com maior número de casos confirmados por meio do LIRAa. Nas localidades em que o índice é maior, a Prefeitura intensifica as ações de bloqueio e eliminação de criadouros.

Entre as estratégias, também consta a visita domiciliar periódica dos agentes de combate às endemias, que orientam os moradores sobre as medidas de prevenção e combate ao Aedes. Além da eliminação mecânica de criadouros e tratamento químico em depósitos não passíveis de remoção ou onde não for possível outra medida física.

A Prefeitura ressaltou que, apesar de promover as ações continuamente, o combate ao mosquito também é um dever dos moradores da Capital. “Embora o índice de infestação tenha diminuído, influenciado, em parte, pelo fim do período sazonal, a Prefeitura pede à população que permaneça atenta em relação aos cuidados de rotina para prevenir acúmulo de água nos quintais e residências”, informou. (P.C)

***
Gostou?
0
1
Ferreira disse: Em 28/10/2017 às 10:09:12

"Reduziu porque as chuvas não estão mas frequentes, deixa voltar o inverno e esse número sobe. A prevenção tem que ser agora no verão."

Ferreira disse: Em 28/10/2017 às 10:08:49

"Reduziu porque as chuvas não estão mas frequentes, deixa voltar o inverno e esse número sobe. A prevenção tem que ser agora no verão."