SEGURANÇA PÚBLICA
Femicro sugere criação de Delegacia de Crimes contra Empresários
Em um mês, 80 casos de arrombamentos a micro e pequenas empresas foram registrados
Por Ana Gabriela Gomes
Em 07/03/2018 às 01:40
Audiência pública foi realizada na manhã de ontem, 6, na Assembleia Legislativa (Foto: Nilzete Franco)

O aumento da violência no setor empresarial foi o tema da audiência pública realizada na manhã dessa terça-feira, 6, na Assembleia Legislativa do Estado de Roraima (ALE-RR). Diante das constantes ocorrências de furtos e roubos em estabelecimentos comerciais da capital, principalmente aos micro e pequenos empresários, uma das soluções apontadas pela classe foi a criação de uma Delegacia Especializada em Crimes contra o Empresário.

Durante pronunciamento, o presidente da Federação das Micro e Pequenas Empresas (Femicro), Félix Ferreira, explicou que vem recebendo dezenas de empresários que buscam por ajuda, tendo em vista que, diferente dos comércios maiores, as pequenas empresas não têm aporte financeiro suficiente para investir em equipamentos de segurança. “Em 30 dias, tivemos 80 casos de arrombamentos”, frisou.

Com as autoridades de Segurança Pública a par da situação, o presidente ressaltou que será possível pensar em mais soluções de maneira integrada. Além da delegacia, a categoria sugeriu a criação de um Plano de Segurança Pública, mecanismos de compensação dos impostos pagos por mercadorias furtadas, segurança preventiva ao empreendedor e educação tributária.

O presidente da Comissão de Indústria, Empreendedorismo, Comércio, Turismo e Serviços da ALE-RR, deputado estadual Brito Bezerra (PP), afirmou estar ciente da dificuldade que vem sendo enfrentada pela classe e ressaltou a importância da audiência. “Que possamos atender as demandas e encaminhar ao Executivo para tomar as devidas providências, que são estruturas necessárias para combater o crime e garantir aos empreendedores à segurança pública”, disse.

A audiência foi solicitada pelo deputado Brito Bezerra (PP) e pelos demais membros da Comissão: Joaquim Ruiz (PTN), Masamy Eda (MDB), Jânio Xingu (PSL) e Zé Galeto (PRP). Os dois últimos, no entanto, não comparecem à audiência. Além dos deputados, estiveram presentes representantes da Polícia Militar do Estado de Roraima (PMRR), Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) e Polícia Civil de Roraima.

NOVA AUDIÊNCIA - Ao final da audiência, o presidente da Femicro foi informado de que uma nova audiência será marcada junto à governadora Suely Campos (PP), a fim de que os problemas sejam resolvidos com maior celeridade. “Levamos a nossa preocupação e realidade, agora é aguardar o agendamento da audiência, que ainda não tem previsão para acontecer”, pontuou. (A.G.G)

PM sugere implantação de serviço de vigilância particular

A confirmação de que as principais vítimas do Estado são comerciantes foi diagnosticada por meio de um mapeamento de território realizado pelos comandos de policiamento ostensivo da Polícia Militar do Estado de Roraima (PMRR). Presente na audiência, o subcomandante da PMRR, coronel Paulo Roberto Macêdo, explicou que, em um primeiro momento, a maioria dos ataques ocorria no final da tarde, horário em que havia maiores valores no caixa.

No entanto, após a atuação dos agentes nos locais identificados, a PM constatou que os criminosos começaram a agir durante a madrugada em locais que ofereciam oportunidade e benefícios, como lojas de tecnologia, e nas residências dos próprios empresários. “Mas como ele pode saber que o empresário tem valores em casa? Isso nos levar a crer na facilidade que o criminoso está tendo para colher informações”, disse o coronel.

Por saber que a segurança pública é um dever do Estado e também um direito e responsabilidade de todos, o coronel Macêdo reforçou a importância do apoio da sociedade para a redução dos índices de criminalidade. Algumas das condutas defensivas destacadas foram a melhoria da infraestrutura predial das empresas, implantação de vigilância, a proteção de produtos de maior valor e, principalmente, o cuidado com a contratação de servidores. (A.G.G)

Governo diz que criminalidade pode estar vinculada à imigração

Presente na audiência pública, o secretário-chefe da Casa Civil, Frederico Linhares, explicou que Roraima vem passando por uma transformação demográfica que fugiu das previsões populacionais, tendo em vista a superpopulação dos imigrantes que, em três anos, aumentou a população de Roraima em mais de 10%. Como consequência, os serviços públicos devem ser adequados à nova realidade, o que afeta muitas áreas, inclusive a segurança pública.

Analisando a curva de criminalidade, especialmente em Boa Vista, o secretário informou que foi percebido um aumento considerável da criminalidade, especialmente com armas de fogo nos últimos anos, e um aumento considerável de pessoas detidas de outras nacionalidades. “O que revela que parte da criminalidade pode estar vinculada à imigração desenfreada”, avaliou.

Segundo Linhares, a União já entendeu a responsabilidade que tem sobre o assunto e vai ajudar no enfrentamento à criminalidade destinando investimentos específicos para os órgãos de segurança, a fim de proporcionar aos policias melhores condições de investigação, armamento, equipamentos tecnológicos, implantação de câmeras de monitoramento e uma perícia eficiente para descobrir autorias dos crimes. (A.G.G)

MARIO DE BRITO LIMA disse: Em 07/03/2018 às 09:27:16

"Nesse caso, essa delegacia deve ser bancada pelos próprios empresários"

Manuel disse: Em 07/03/2018 às 08:00:04

"Pocha!!! É tanta delegacia, tantas forças taticas, PC, PM, P municipal, nacional... e não conseguimos resultado algum, tamanha incompetência. Tambem o pessoal acha que marginal cumpre horário de de 8 horas revesando em 24 por 72..... etc e tals. Tem alguma coisa errada nisto tudo e deve ser algo aliado a burrice, má vontade sei lá."