PUBLICIDADE
MÁRIO DAVID ANDREAZZA
Estudantes, pais e funcionários pedem volta de diretor
Por Paola Carvalho
Em 11/02/2019 às 00:35
Insatisfação era tão grande que alunos planejaram um protesto para o primeiro dia do ano letivo, mas foram frustrados com suspensão das aulas na rede estadual (Foto: Arquivo/Folha BV)

A exoneração do diretor da Escola Estadual Mário David Andreazza, no bairro Caimbé, causou revolta em estudantes, pais de alunos e funcionários da unidade de ensino. Eles reclamaram da demissão de Antônio de Sousa Magalhães e acusam o governo do Estado de não estar comprometido com a educação dos jovens.

De acordo com a série de reclamações feitas à Folha na última semana, toda a comunidade estudantil está insatisfeita com a exoneração do gestor. A revolta era tanta que os estudantes estavam dispostos a realizar um protesto na segunda-feira passada, 4, data previamente marcada para o início do ano letivo na rede estadual de ensino.

A previsão é que os alunos fossem para a escola, mas iam se recusar a entrar no prédio para assistir às aulas em protesto contra a exoneração. Porém, com o cancelamento do início das aulas, eles decidiram protestar de outas maneiras.

"Toda a comunidade escolar está insatisfeita com o que aconteceu e como protesto os alunos não irão entrar no prédio na próxima segunda-feira, primeiro dia letivo. Peço que noticiem nossa insatisfação para que possa chegar até nosso governador e que ele tome providências revertendo esse ato da Secretária de Educação", informou um manifestante que preferiu não se identificar.

MOTIVOS POLÍTICOS - A maioria dos insatisfeitos com a exoneração alegou que a medida teve como finalidade atender motivações políticas da atual gestão governamental.

"Estamos todos insatisfeitos com a exoneração do gestor da Escola Estadual Mário David Andreazza. Tudo por conta de acordos políticos", informou outro manifestante.

"Eles não estão comprometidos com a educação dos nossos jovens, mas sim querendo apenas acomodar seus apadrinhados. Isso é revoltante. Queremos justiça e que a comunidade tenha voz e atendam nosso desejo", completou.

Outro manifestante, desta vez o pai de um aluno da escola, acionou a Folha para afirmar que foram surpreendidos com a “trágica notícia” de que Antônio de Sousa Magalhães havia sido exonerado "para acomodar os cabos eleitorais do novo governador Antonio Denarium (PSL)" e que a medida iria paralisar "um excelente trabalho que vinha sendo desenvolvido na instituição".

Já um funcionário da unidade de ensino classificou a exoneração como “absurda”.

"Isso foi um absurdo o que fizeram. Estão interrompendo um brilhante trabalho que vinha sendo desenvolvido à frente da escola. Estamos todos revoltados com isso. Que nossa reclamação possa chegar até o nosso governador", acrescentou.

OUTRO LADO - Mesmo com a demanda de pais, funcionários e alunos, o governo do Estado pareceu não se sensibilizar com a reclamação da comunidade estudantil. Em nota, a Secretaria Estadual de Comunicação Social (Secom) informou apenas que nomeação e exoneração "fazem parte da rotina administrativa do governo". (P.C.)

***
Gostou?
10
4
PUBLICIDADE
arilda silva disse: Em 11/02/2019 às 16:43:19

"Enquanto isso tem gestor que estão desde o tempo do finado Anchieta, não fazem nada, mas continuam na gestão só por ser puxa saco !!!"