ENERGIA SOLAR
Bancos oferecem linhas de crédito para compra de equipamentos
Alternativa de investimento para redução de custos na conta de energia, placas solares são bem vistas, mas custo ainda é alto
Por Ana Paula Lima
Em 11/10/2018 às 02:23
Instituições financeiras fazem diversos tipos de financiamentos para correntistas que desejam comprar equipamentos (Foto: Nilzete Franco/Folha BV)

Uma opção de reduzir os custos gerados pela energia elétrica e manter a qualidade do meio ambiente é o uso de placas solares para produção de energia nas residências. Especialistas entendem que é possível ter uma redução de até 95% nos gastos de residências que fazem o investimento, dependendo da incidência solar e também da tarifa de energia de cada estado.

Mesmo com a praticidade que pode oferecer futuramente após a instalação das placas, o custo alto costuma ser um empecilho para famílias que tentam produzir energia solar em suas casas. Para tentar facilitar esse custeamento, os bancos nacionais estão realizando linhas de financiamento para pessoas físicas e jurídicas conseguirem a instalação das placas solares.

SANTANDER – O banco Santander informou que começou a utilizar a linha de crédito para compra de equipamentos em agosto deste ano, com o objetivo de estimular que mais pessoas e empresas possam optar por uma energia mais limpa e “reduzir seus custos com a conta de luz ao longo do tempo, que também deverá melhorar o retorno de investimento, hoje em cerca de quatro a sete anos”. No banco, o cliente pode solicitar o crédito diretamente na agência ou no momento da compra do equipamento em estabelecimentos parceiros do Santander.

A taxa de 0,99% ao mês é válida para parcelamentos em até 36 vezes. Para prazos superiores, de até 48 vezes para pessoas físicas, ou 60 vezes em casos de empresas, os juros são de 1,08% ao mês. Para o produtor rural, a taxa é de 1,12% ao mês em 48 parcelas semestrais ou anuais. É preciso apresentar o projeto junto ao banco, que passará por uma análise de crédito antes de ser aprovado.

BRADESCO – O Bradesco garantiu que também trabalha com linha de financiamento para pessoas físicas e jurídicas para a compra e instalação de equipamentos geradores de energia solar. Há mais de um ano trabalhando com essa modalidade, o banco oferece taxas entre 1,80% e 1,86% ao mês, conforme o prazo de operação, que pode ser de até 60 meses e com até 100% do valor financiado.

Para ter todo o custo coberto pelo banco, é necessária aprovação de crédito e demais condições dos produtos, com taxa sujeita à alteração conforme oscilação de mercado. Se o cliente correntista jurídico tiver interesse, precisa levar até a agência o orçamento com descrição dos equipamentos e da mão de obra necessária para a instalação, cartão com CNPJ, contrato social (empresa LTDA.) ou estatuto e ata de assembleia (empresa S.A.) e balanço recente.

Já para pessoas físicas, o correntista deve se dirigir até a agência com o orçamento dos equipamentos, documento de identificação e último comprovante de renda.

BANCO DO BRASIL – De acordo com o Banco do Brasil, em 2017, foi desenvolvido o Programa Agro Energia, destinado aos produtores rurais e suas cooperativas, com o objetivo de “financiar a implantação de usinas geradoras de energias alternativas renováveis”. As linhas de crédito utilizadas são destinadas aos públicos enquadrados em diferentes programas de incentivo à agricultura.

As taxas variam de acordo com o porte dos clientes e os prazos são definidos de acordo com a capacidade de pagamento e também dos projetos apresentados. O banco garante que, para cliente pessoa física, possui as linhas de crédito destinadas à aquisição de equipamentos e serviços de eficiência energética, com taxas de juros prefixadas que permitem o parcelamento em até 48 vezes, com carência de até seis meses para o pagamento da primeira parcela.

Por fim, o banco disponibiliza contratação de placas solares por meio de consórcios, pela linha Economia Verde, com prazo de até 120 meses e taxa de administração média de 0,19% ao mês. O Banco do Brasil não informou quais os procedimentos e os documentos necessários para solicitar o financiamento.

PARA ESPECIALISTA

Com juros altos, financiamentos são inviáveis

Roraima é um dos estados que mais poderia tirar proveito da energia gerada por placas solares. Conforme o assessor do Instituto Socioambiental (ISA), Ciro Campos, com a Resolução Normativa nº 482/12 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que estabelece as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeração aos sistemas de distribuição de energia elétrica, ficou mais simplificado o processo.

Entretanto, o especialista critica a linha de crédito ofertada pelos bancos, já que considera os valores extremamente altos. “A viabilidade econômica está assegurada para que qualquer pessoa consiga comprar, mas os juros altos impossibilitam. Geralmente ficam em torno de R$ 30 mil a 50 mil, o valor de um carro popular. O que deveria ser feito é uma linha de crédito feita pelo Governo”, disse.

Para ele, Roraima tem potencial semelhante aos estados do Nordeste, mas com linhas de crédito diferenciadas porque não levam em conta a posição geográfica que o estado roraimense apresenta dentro da Amazônia. Na questão rural, existe também outra perspectiva que poderia facilitar a vida de famílias agricultoras, já que pela distância, poderia representar a única possibilidade de ter acesso à energia. (A.P.L)

***
Gostou?
3
0
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!