Por Fabiano de Cristo
Em 27/11/2017

Editorial

Ser líder significa ter vocação e talento para resolver problemas. Há dois tipos de líderes, que se revelam especialmente em tempos de crise: os desesperadores e os inspiradores.
Qual dos dois é você? É incrível como as pessoas conhecem o que é liderança, sabem prontamente apontar uma boa liderança ou não no mundo social, político, econômico, esportivo, cultural, empresarial e até no contexto familiar.

Mas, diante da crise, como um bom líder é visto pelo seu time, parceiros e sócios? O que é esperado dele, nesses momentos? Independente de qual contexto em que a liderança atua, todos que exercem esta função deparam com crises em algum momento de sua trajetória de vida. Na prática, ‘ser líder’ é sinônimo de resolver problemas. E para solucioná-los, no campo das decisões, independente de qual categoria que estas possam se enquadrar (financeira, técnica, social, política, familiar, etc.), um bom líder sabe que no centro de tudo estão as pessoas.

Mas afinal, de qual crise estamos falando? Crise econômica? Crise moral? Crise social? Crise familiar? Crise existencial? Há momentos, que são várias crises dentro de uma mesma crise. Na coluna desta semana vamos falar sobre liderança no contexto atual.

Fabiano de Cristo
Consultor Empresarial
atuallisconsultoriarr@gmail.com


VIDA NORMAL? É A CRISE PERMANENTE

A vida seria muito mais fácil se soubéssemos que cada crise é um momento solto no tempo, um tropeço, que cedo ou tarde passa – e então tudo voltaria ao normal. O problema é que o normal está cada vez mais indefinível. E os desafios propostos pelo mundo à liderança não dão trégua: “Não é a economia que vai conseguir erigir uma muralha contra o aumento da competitividade global, as restrições de energia, a mudança climática e a instabilidade política”.

Esta frase não é nova: vem de um artigo assinado pelos especialistas em liderança Ronald Heifetz, Alexander Grashow e Marty Linsky (sócios na consultoria Cambridge Leadership Associates) em 2009, para a Harvard Business Review. No artigo, intitulado “Liderança em crise (permanente)” eles apontam que a crise por que passava os Estados Unidos na época era apenas um ponto em uma crise permanente que traria sempre novos desafios sérios e desconhecidos.

Liderar nesse contexto, explicam os autores, é traiçoeiro. Para eles, é nesse momento que a liderança passa por duas fases: a primeira é a de emergência, quando a tarefa do líder é estabilizar a situação e ganhar tempo. A segunda é a adaptativa, quando são abordadas as causas subjacentes à crise para se construir a capacidade de prosperar em uma nova realidade. A fase adaptativa é especialmente difícil: “As pessoas colocam uma pressão enorme no líder para que ele reaja às ansiedades delas com uma certeza cheia de autoridade, mesmo que isso signifique desovar o que você sabe e descontar o que não sabe”.

As pessoas clamam por direção, mas o caminho é cheio de curvas e viradas inesperadas. Para os pesquisadores, a solução mais fácil é a de os líderes se entrincheirarem e tentarem resolver tudo com soluções de curto prazo. Parece familiar?

O que eles propõem, em vez disso, é que os líderes pratiquem a liderança adaptativa. Em vez de se esconder, os líderes adaptativos aproveitam esses momentos para apertar o botão de reset, dando um fim digno ao que precisa ser encerrado no passado de forma a garantir o futuro – mudar as regras do jogo, reorganizar partes da organização e redefinir o trabalho que as pessoas fazem são algumas das medidas a serem tomadas. “Não se trata de chacoalhar a empresa de modo a que nada mais faça sentido”, alertam. “O processo de readaptação é tanto de conservação como de reinvenção. Modificações em sequências específicas do DNA organizacional farão uma diferença crítica”.

Mudanças sempre trazem insegurança, especialmente quando implicam em perda. Nessas horas entra uma característica fundamental do bom líder: empatia. Os autores afirmam que o líder vai precisar da ajuda das pessoas – não de uma lealdade cega para segui-lo rumo ao futuro, mas a ajuda entusiasmada no sentido de ajudá-lo a descobrir esse caminho. Para isso, explicam os autores, “você deve equipá-los com a capacidade de desempenhar em um ambiente de incerteza contínua e mudança incontrolável”.

No artigo, eles apresentam alguns exemplos de liderança que estavam conseguindo se reinventar na crise. São essas histórias – e essas análises da experiência passada – que podem sempre nos ajudar a sobreviver e, mais do que isso, a desenvolver um modo de operar nesse novo cenário. Pense nisso e até a próxima semana.

RESENHANDO

Pare um pouco a leitura e pense na sua lista de bons exemplos de liderança, que conquistaram a sua admiração pessoal e reflita sobre eles: quais foram as grandes atitudes inspiradoras (competência de agir diante da crise); observe a habilidade de comunicação direta e objetiva (arte de inspirar), a capacidade de mobilizar os talentos e a inteligência das pessoas à sua volta para superar a crise (arte de desenvolver pessoas) e a coerência entre o discurso e a prática (fidelidade aos valores e princípios). É desse tipo de homens e mulheres que precisamos em nosso mundo, em nosso país, em nossas instituições, em nossas empresas e em nossas famílias. Se o líder se mostrar confiável, se o seu propósito for nobre, digno de ser alcançado, tenha certeza que o time vem junto! As pessoas dão o melhor de si, quando o líder é autêntico, determinado, coerente, transparente, empático, humilde para aprender e a reciclar-se nos momentos agudos de uma crise, administrando suas emoções e demonstrando que seus valores essenciais são inegociáveis.

Fabiano de Cristo
jornalista@teste.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Visão de negócios
"Conquistas reconhecidas......"
10/09/2018 às 10:21
+ Ler mais artigos de Visão de negócios