Por Opinião
Em 30/01/2018

Há tempo para tudo - Marlene de Andrade*

Estou aprendendo que de fato não adianta querer algo no tempo da gente. Deus tem projetos para nossa vida desde que ainda nem estávamos sendo gerados dentro do útero de nossa mãe. Só que tem uma coisa: esses projetos ocorrem somente no tempo d’Ele e não no nosso.

Às vezes, questionamos o motivo de passarmos por tantos problemas e por caminhos tão cheios de espinhos, mas estou começando a entender também porque devo aprender a esperar mesmo em meio às lutas. Lá na frente vou percebendo que Deus não me esqueceu e que no tempo d’Ele tudo é melhor. Deus nos coloca em algumas situações de forma pedagógica, ou seja, Ele usa as situações e as circunstâncias para nos amadurecer e também para passarmos a confiar mais n’Ele do que em pessoas, políticos ou na tecnologia.

A gente sabe que tudo na nossa vida vai passar, mas quando estamos firmados na Rocha, a qual é Jesus, temos que desenvolver uma confiança toda especial e crer que Deus cuida da gente, nos dá Graça e prosperidade no tempo d’Ele e não no nosso. Creio firmemente que Deus nunca falha. De fato Deus não falha, mas a gente precisa crer que as promessas d’Ele na nossa vida, algumas se cumprem rapidamente, contudo, outras levam muito tempo para se cumprir.

Não adianta nos desesperarmos, tudo que devemos fazer é crer que Deus na hora certa nos trará aquilo que for o melhor para cada um de nós. É lá na frente que vamos entender o porquê da demora. Deus não falha e nem nos desampara. Temos que entender também que nem todos os nossos projetos vão se realizar. Tudo que temos que fazer é confiar nas misericórdias do Senhor e crer que Ele tem sempre o melhor para todos nós. Não podemos questionar Deus, pois Ele é o oleiro e nós o barro. Ele nos molda em forma de vaso do jeito que Ele quiser e quando quiser, pois Ele é o Senhor do tempo.

A semente do bambu chinês quando é plantada leva cinco anos para desabrochar. Seu crescimento vai ocorrendo silenciosamente debaixo da terra. Ninguém vê nada ocorrendo lá embaixo onde estão as raízes. Nesse período elas vão se estendendo terra abaixo, se aprofundando, se espalhando e se fortalecendo. Quando já há uma rede compacta de raízes e elas já alcançaram dezenas de metros de ramificações e aprofundamento é que poderemos enxergar o broto germinando para fora da terra e isto, volto a repetir, levam cinco anos para acontecer. Portanto, esperar em Deus é a palavra de ordem.

“Mas aqueles que esperam no Senhor renovam as suas forças. Voam alto como águias; correm e não ficam exaustos, andam e não se cansam” (Isaias 40:31).

*Médica Especialista em Medicina do Trabalho


Educação social: um fenômeno humano - Sebastião Pereira do Nascimento*

Diante das muitas acepções humanas, o psicólogo Lev Vygotsky destaca que o “homem é essencialmente social: é na relação com o próximo, numa atividade prática comum, que este, por intermédio da educação acaba por se constituir e se desenvolver enquanto sujeito”. Dessa maneira, Vygotsky evidencia a ideia de que o ser humano, diferentemente de outros animais, não se encontra limitado a sua própria experiência pessoal e/ou as suas próprias reflexões. Ao contrário, a experiência individual se alimenta e se aprofunda, em especial, graças à apropriação da experiência social que é veiculada pelas diferentes formas de educação, mediante os processos de comunicação que se entrelaçam com outros sujeitos.

A ideia de transformação humana através da educação, como propunha o professor Paulo Freire, não se dar apenas na escola formal, mas também a partir da possibilidade de ir a outras pessoas, conviver com elas, aprender com elas e interrogar o que elas sabem. Daí não se pode duvidar de que conhecemos muitas coisas por causa da prática humana, todavia, é preciso ir mais além, para conhecer melhor as coisas que já conhecemos e conhecer outras que não conhecemos.

Rousseau também compartilha da mesma ideia quando coloca que “...nascemos fracos, precisamos de força; nascemos desprovidos de tudo, temos necessidade de assistência; nascemos estúpidos, precisamos de juízo. Tudo o que não temos ao nascer, e de que precisamos quando adultos, é-nos dado pela educação. E essa educação nos vem da natureza, da interação social, da mediação de parceiros mais experientes e das relações frente a frente que estabelecemos com o outro”.

Desse modo, acreditamos que as mudanças ocorridas no indivíduo estão ligadas à sua interação com a história da qual ele faz parte. Por isso o aprendizado envolve a interação com outros indivíduos e a interferência direta ou indireta deles. É fenomenológico quando se diz que não existe educação sem um pensar e sem uma realidade que permita uma compreensão crítica da prática sociocultural na qual o homem está inserido, ou seja, a educação e transformação da realidade são exigências recíprocas, cuja responsabilidade não podemos nos eximir, como apregoa Paulo Freire.

Para o educador Jacques Delors, o processo educacional está estreitamente relacionado com pilares da educação, ele acredita que a aprendizagem é um processo de apropriação ativa do conhecimento das experiências humanas, que impulsiona de forma não linear o desenvolvimento, promovendo a análise de conceitos, esclarecendo significados, elaborando hipóteses e verificando a validade dos processos de raciocínio. Processo esse pelo qual o sujeito adquire informações, habilidades, atitudes e valores a partir de seu contato com a realidade e com pessoas que participam de sua interação social.

A educação é um fenômeno humano produzido em situações sócio-históricas, através de conquistas sociais. Conquistas estas que garantem um sistema educacional voltado para o respeito à diversidade, que defenda a inclusão de saberes e que rompa com os elos instituídos, quebrando paradigmas sem causas e efeitos. Aqui a inclusão, portanto, não significa tornar todos iguais, mas respeitar as diferenças de raça, religião, nacionalidade, classe social, econômica, cultural ou capacidade física e intelectual, desenvolvendo no ambiente humano uma mutualidade e o aproveitamento dessas diferenças para melhorar as relações na sociedade.

Entretanto, no sentido de permitir essas transformações, a educação exige a utilização de diferentes estratégias para responder às diferentes necessidades, capacidades e níveis de desenvolvimento individuais. Isto exige intervenções necessárias e modificadoras capazes de nortear as transformações humanas a partir daquilo que consideramos educação. Ao contrário do que mostra ser a atual educação brasileira, que ao bel-prazer, está sendo ainda mais forjada, posto que a sociedade não tem espírito pensante para se opor diante de mais um processo de liquidificação da educação.

Aqui retomo Paulo Freire quando o mesmo se refere ao seu método de ensino a favor dos oprimidos, mostrando como atuava o processo de opressão e como poderia haver aprendizado com base nesta realidade, onde a libertação do indivíduo poderia se dar a partir do momento em que este indivíduo reconhecesse a sua própria condição real, para que esta pudesse ser transformada. Tais disposições confrontam com o atual momento da educação brasileira que se inspira numa ideologia burguesa, com a vanguarda educacional voltada os olhos para o novo, rejeitando valores intrínsecos da vida humana.

Finalizando, para que possamos desfrutar de uma educação reparadora é preciso agir com respeito, responsabilidade, justiça e aprender a usar as intervenções nas mais diferentes situações e comprometer-se com o que acontece na vida da comunidade e do país, sendo esses valores e atitudes desenvolvidos na vida a partir da educação social.

*Filósofo – sepenascimento@gmail.com


Outros tempos - Afonso Rodrigues de Oliveira*

“Os dogmas do passado tranquilo são inadequados para o presente... como o nosso caso é novo, temos que pensar de maneira nova e agir de maneira renovada.” (Abraham Lincoln)

E olha que o Lincoln disse isso ainda no século XIX. Porque os tempos mudam de acordo com nossa capacidade de mudar. E quando não mudamos continuamos marchando sobre o mesmo terreno. E embora pensemos que estamos progredindo, continuamos os mesmos, com os mesmos pensamentos e atitudes. Não conseguimos agir de acordo com o tempo em que estamos vivendo. E vemos isso a todo o momento, à nossa volta. Pessoas que continuam pensando e agindo como pensaram e agiram seus antepassados.

A evolução mental depende da evolução racional de cada um. E só evoluímos racionalmente quando entendemos o nosso grau de evolução. Que é quando somos capaz de entender o mundo em que vivemos. E quando o entendemos sabemos o que devemos fazer para a evolução do mundo. E o que parece difícil, muitas vezes é muito simples. As dificuldades estão na nossa capacidade de pensar de acordo com o tempo em que vivemos.

Fico preocupado quando assisto a um deslize no comportamento das pessoas iludidas com a evolução aparente. É quando percebemos que estamos confundindo liberdade com libertinagem. E liberdade não é fazermos o que queremos fazer, mas o que devemos fazer em respeito à liberdade dos que estão à nossa volta. E não existe liberdade sem educação. E como educar dentro do mundo atual, sem ligação ao passado? É difícil para dedéu.

Ainda queremos educar nossos filhos como nossos pais nos educaram. A educação é a mesma, mas os modos não. As restrições na educação do passado não valem para a de hoje. Mas as limitações dentro do respeito sim.

Não podemos pensar, em relação à educação, como pensavam os do passado. Mas devemos pensar e educar de acordo com a educação atual. E esta, repito, não pode ser confundida com vulgaridade. Comece cuidando de sua postura. Seu comportamento educado indica quem você realmente é. Não se deixe levar pelo alvoroço da modernidade. Mas isso exige muito controle emocional para ser entendido. E tudo está na racionalidade. E o equilíbrio está em entender que estamos vivendo o hoje e não o ontem, nem o amanhã.

É no que fazemos hoje que levamos como ensinamento para o amanhã. Então, cuide-se no que você faz hoje. Porque serão seus exemplos, no futuro, que educarão seus descendentes. Eduque com respeito. E respeito exige amor. Ame para ser amado. Construa o futuro dos seus filhos e netos, com respeito e muito amor. Eles vão lhe agradecer, pelo respeito que você teve por eles. E pelo mundo. Pense nisso.

*Articulista
afonso_rr@hotmail.com
99121-1460

Opinião
fale@folhabv.com.br
Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!
Últimas de
Opiniao
+ Ler mais artigos de Opiniao