DECISÃO IRREVOGÁVEL
Vice-governador renuncia ao cargo
Gostei (2752) Não gostei (71)
Paulo César Quartiero pediu ainda, que fosse convocada uma sessão extraordinária para ele “expor à sociedade as razões do seu ato”
Por Paola Carvalho
Em 26/01/2018 às 01:01
Paulo César Quartiero explicará motivos da renúncia hoje, em sessão extraordinária na Assembleia Legislativa (Foto: Arquivo/Folha)

O vice-governador do Estado, Paulo César Quartiero (Sem Partido), protocolou na tarde de ontem, 25, na Assembleia Legislativa, carta em que renuncia ao cargo para o qual foi eleito. O empresário ocupava o cargo de vice-governador desde janeiro de 2015, quando tomou posse junto da governadora Suely Campos (PP).

Na carta apresentada aos parlamentares, Quartiero comunicou a decisão de saída da titularidade da vice-governadoria de caráter “irrevogável e irretratável” e alegou “motivos pessoais”. Em um ofício, também apresentado na quinta-feira, Quartiero solicitou a convocação de uma sessão extraordinária, por conta do recesso parlamentar, ao presidente da ALE-RR, o deputado Jalser Renier (SD).

No documento, Quartiero pede que a reunião seja convocada para a leitura da carta de renúncia “em razão do interesse público envolvido” e mediante necessidade de “expor à sociedade as razões do seu ato”. Procurado pela reportagem da Folha, o ex-vice-governador disse que iria se pronunciar sobre o assunto apenas hoje na Assembleia Legislativa.

OUTRO LADO – Sobre o pedido, o Governo do Estado informou que não houve, até o momento, nenhum comunicado formal de renúncia do vice-governador. “Por essa razão, o Governo vai aguardar ser oficialmente comunicado para se pronunciar”, declarou em nota.

Quartiero se considerava “vice-governador no exílio” desde 2015

O descontentamento de Quartiero com a gestão de Suely Campos já é conhecida da população desde o início do mandato. Em abril de 2015, o vice-governador anunciou a separação do grupo governista, mas salientou que permaneceria no cargo por conta de seus eleitores.

Na época, o vice informou que o racha foi motivado por conta do não cumprimento das promessas firmadas com a governadora no período da campanha, além da falta de participação do vice na indicação para os titulares das secretarias ou integrantes da gestão e de suas insatisfações com os atos governamentais de Suely, como a nomeação de familiares e do ex-deputado João Pizzolatti para ocupar a Secretaria Extraordinária de Articulação Institucional e Promoção de Investimentos.

Em junho do mesmo ano, o vice chegou a entrar com uma ação na Justiça Estadual contra a governadora pedindo que fossem suspensos os decretos que removeram cargos da Vice-Governadoria para outras pastas do Executivo, mas teve seu pedido negado pelo Tribunal de Justiça, sob o entendimento que o remanejamento de servidores não comprometeu as atividades realizadas pelo órgão.

Já em 2017, Quartiero assumiu, por cinco dias, o Governo do Estado durante ausência da governadora Suely e promoveu algumas mudanças no secretariado. Primeiro, o vice exonerou o titular e adjunto da Secretaria Estadual do Índio, Dilson Ingaricó e Hugo Cabral, respectivamente, alegando que a dupla comemorou a decisão da Justiça Federal em demarcar mais uma área indígena em Roraima. Ao retornar ao cargo, a governadora Suely Campos reconduziu a cúpula da secretaria.

Ainda à frente do Governo, Quartiero exonerou Ademir Passarinho do cargo de coordenador especial do projeto de Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e nomeou Daniel Gianluppi em seu lugar. A alegação era que, até então, o projeto tinha o “viés totalmente ambientalista” e que não iria estimular a produção estadual.

Em agosto, o vice-governador informou que protocolaria na Assembleia um pedido de impeachment contra a governadora por crime de responsabilidade, “ao não lutar para que as terras de Roraima não fossem demarcadas para indígenas”, por não atuar na solução da questão energética com a construção do Linhão de Tucuruí e por não defender os agricultores.

Na época, o vice chegou a afirmar que acertaria com os deputados a sua renúncia, se fosse preciso, para que o impeachment acontecesse.

HISTÓRICO – Nascido em Torres no Rio Grande do Sul e graduado em Agronomia pela Universidade de Passo Fundo, Paulo César Justo Quartiero foi um dos maiores rizicultores de Roraima. Foi prefeito do município de Pacaraima, situado na fronteira com a Venezuela, entre os anos de 2005 a 2008. À época, era filiado ao PDT.

Foi presidente da Associação dos Arrozeiros de Roraima, entre 2005 e 2007, mesmo período em que se tornou conhecido nacionalmente como símbolo da resistência da desocupação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, onde mantinha as fazendas de produção de arroz.

Filiado ao Democratas (DEM), foi eleito deputado federal nas eleições em 2010 e no pleito de 2014 candidatou-se a vice-governador de Roraima, na chapa encabeçada por Suely Campos. A dupla foi eleita em segundo turno. Em setembro de 2015, Quartiero anunciou sua saída do DEM e desde então não assume uma filiação partidária. (P.C.)

caio disse: Em 26/01/2018 às 19:21:33

"Só no finalzinho depois de mamar e mamar é que decide sair fora men?"

Luiz Junior disse: Em 26/01/2018 às 17:45:50

"Só agora ele acordou do sonho ??? Politicagem pura, só isso"

S.A.A disse: Em 26/01/2018 às 12:17:17

"ja vai tarde, foi um vice ineficiente e ausente... ate na campanha não ajudou em nada...."

Rodrigo Colares da Costa disse: Em 26/01/2018 às 11:50:18

"Só falta ele dar uma de Jânio Quadros e creditar a ´forças ocultas !!´ kkkkk"

Gil disse: Em 26/01/2018 às 09:35:01

"Já vai tarde!"

Luiz Junior disse: Em 26/01/2018 às 09:21:17

"Faça igual o Temmer. kkkkk"

Damiao disse: Em 26/01/2018 às 08:53:50

"Porq ele não renuncio no primeiro dia? Ja mamou mesmo nosso dinheiro agora ta querendo midia. Tudo farinha do mesmo saco"

caio disse: Em 26/01/2018 às 08:10:35

"Agora so falta a governadora também."