ORÇAMENTO MUNICIPAL
Vereador critica debate em sessão única
Por Paola Carvalho
Em 11/12/2017 às 00:44
O vereador acredita que na falta da discussão a Câmara entregará um ‘talão de cheques em branco’ para a prefeita decidir o que fazer com o orçamento (Fotos: Diane Sampaio)

A discussão da Lei Orçamentária Anual (LOA) e do Plano Plurianual (PPA) do ano de 2018 da Prefeitura de Boa Vista (PMBV) está previsto para ser discutido durante única sessão na Câmara dos Vereadores na próxima terça-feira, 12. Para o vereador Marcelo Lopes (Patriotas antigo PEN), a discussão não terá tempo para definir a aplicação de recurso no próximo ano na Capital.

No sábado, 9, durante o programa Agenda Parlamentar na Rádio Folha 1020 AM, o vereador informou que desde sua posse na Câmara Municipal há três meses, após o afastamento do vereador Rondinele Tambasa para assumir a Secretaria de Estado Extraordinária de Gestão Internacional (SEEGL), tem discutido sobre a importância do orçamento.

“É a lei que vai definir o trabalho da Prefeitura por 12 meses. O Município levou cerca de cinco meses para elaborar essa lei, encaminhou no prazo correto e desde setembro essa lei está na Câmara. Eu tenho falado na tribuna, questionado repetidas vezes. Falo da importância dos vereadores discutirem o orçamento de 2018. Ele vai ser discutido agora na última sessão do ano, num dia só”, disse Marcelo.

O vereador ressaltou que a construção do orçamento precisa da participação popular por entender os problemas existentes. “É preciso entender que as pessoas têm o direito de participar. A sociedade tem que ter essa oportunidade. Claro que a Câmara é a representante do povo e é nosso dever saber o que as pessoas precisam nos bairros, mas não vai ser possível discutir ponto a ponto a fim de aprovar uma lei que beneficie a população no ano de 2018. Não é possível uma lei tão grande, com tantos anexos, com tantas demandas sociais, ser discutida em único dia”, salientou.

Além disso, o vereador se disse preocupado com recentes discussões na Câmara, que podem não ser contempladas no orçamento. “Discutimos assuntos importantes, como o plano diretor da cidade, fizemos audiências públicas sobre o tráfico humano, discutimos o meio ambiente, fizemos a prestação de contas da saúde, vimos demandas da educação, a regularização fundiária, invasões de terras, enfim. Vários projetos foram discutidos, mas se a gente não os inserirmos no orçamento do ano que vem, nada disso vai ser contemplado”.

O vereador finalizou a participação no programa Agenda Parlamentar reforçando a importância da população comparecer ao debate do orçamento na terça-feira, 12, no plenário da Câmara Municipal. “Comerciantes, ambulantes, agricultores familiares, funcionários públicos, profissionais da saúde, da educação, boa-vistenses, venezuelanos, todo mundo, pelo menos em um dia no ano inteiro, discutir a lei mais importante da Prefeitura”, disse.

“Ao final da sessão, provavelmente o orçamento será aprovado do jeito que o executivo quer e as emendas que os vereadores inserirem serão vetadas. Quero crer que esse ano será diferente. Estaremos lá e queremos contar com a população para fazer o nosso papel e dizer à Prefeitura o que o povo precisa para melhorar a qualidade de vida em Boa Vista”, concluiu. (P.C.)

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!