TRÁFICO DE ARMAS
Poucas apreensões descaracterizam Roraima como rota de tráfico de armas
Gostei (0) Não gostei (0)
Nos últimos dois anos, 26 armas foram apreendidas durante as operações de fronteira do Exército
Por Ana Gabriela Gomes
Em 02/03/2018 às 01:25
Armas apreendidas pela 1ª Brigada de Infantaria de Selva (Foto: Divulgação)

Roraima não é rota de tráfico de armas. A informação é do comandante da 1ª Brigada de Infantaria de Selva (1ª BdaInfSl), general Gustavo Henrique Dutra, com base nas estatísticas de apreensão do Exército. Nos últimos dois anos, 26 armas foram apreendidas durante as operações de fronteira. No entanto, não foi encontrado nenhum fuzil automático, considerado o principal armamento usado pelas facções criminosas.

Das 26 armas apreendidas, 20 foram registradas como de caça, o que inclui o armamento detido nos garimpos, e as outras seis foram registradas como armas de porte individual. Durante entrevista no final do mês passado, o general Dutra ressaltou que o Exército realizou a apreensão de duas armas que estavam desmontadas dentro de tanques de combustível. A ação ocorreu em 2017.

Na oportunidade, o general informou que as fiscalizações das operações seriam reforçadas, apesar de considerar baixo o número de apreensões de armas e outros produtos. Como resultado da intensificação, cerca de 60 pessoas foram detidas no último dia 22 na região da Terra Indígena Yanomami, a Noroeste do Estado. Entre as apreensões, duas armas de fogo calibres 28 e 22.

Em contrapartida às apreensões executadas nas ações de fronteira, também foi constatada a entrada de imigrantes cubanos pela BR-401, sentido Guiana, região Leste do Estado. Em seis horas de operação em um posto de bloqueio, aproximadamente 40 cubanos são identificados. Contudo, considerando que o posto não funciona 24h por dia, o índice de imigrantes pode ser maior.

Com a permissão de entrada concedida pela Legislação de Imigração, o Exército não tem autonomia para impedir a passagem de imigrantes no Estado. Entretanto, Roraima nem sempre é o destino final dos cubanos. Já na capital, eles procuram por refúgio na Polícia Federal (PF) informando que estão ilegais e, em seguida, seguem viagem rumo ao Uruguai e aos Estados Unidos (EUA).

A Folha entrou em contato com a PF para tratar do assunto, mas até o fechamento desta matéria, às 18h, não obteve resposta. (A.G.G)

Nazireno disse: Em 02/03/2018 às 12:00:30

"General Dutra, sou grande admirador do trabalho do exército mas a conclusão de que Roraima não é rota do tráfico por conta das baixas apreensões é equivocada, pois praticamente não existe fiscalização, digo isso por que moro em Pacaraima já cansei de descer e subir a serra sem passar por nenhuma autoridade de fiscalização, mais uma coisa, as grandes operações de tráfico de armas contam com batedores que vão na frente verificar a movimentação das autoridades. Não se pega esses caras sem o uso dos serviços de inteligência. Roraima é uma porteira aberta!"

Rildo Lopes disse: Em 02/03/2018 às 06:48:07

"A tá.... É sério mesmo isso. Querem que armas e drogas passem nos postos de controle.... Então a regra é. Se não achou, não tem!.... Parabéns pelo pensamento"