ESPORTE
Pentacampeão Edilson Capetinha participa de intercâmbio com crianças
Gostei (0) Não gostei (0)
A ação faz parte de uma parceria entre uma escolinha de futebol com o clube Orlando City Soccer, dos Estados Unidos
Por Minervaldo Lopes
Em 24/02/2018 às 13:04
Essa é a primeira vez que Edilson Capetinha visita Roraima (Foto: Diane Sampaio)

Ídolo de toda uma geração de amantes do futebol, o pentacampeão mundial pela seleção brasileira Edilson Ferreira, o Edilson Capetinha, participa desde as primeiras horas da manhã deste sábado, 24, de um intercâmbio com alunos de uma escolinha de futebol localizada no bairro Caçari, zona Leste da capital.

A iniciativa faz parte de uma parceria com entidades ligadas ao esporte, promovendo o conhecimento por meio da troca de experiências, conforme explica o gestor da escolinha, Ton Behenck.  

“A ideia da escola é fomentar a prática da educação física por meio do futebol e como a nossa instituição sempre realiza intercâmbios uma vez ao ano, acaba que as parcerias que formalizamos também ajudam esse aluno até um contato com outras culturas, para que em um futuro próximo tenham interesse em estudar em outro país, por exemplo”, disse.

Sobre a participação do pentacampeão, Behenck conta que o acerto foi feito graças a uma visita que a escolinha fez em julho do ano passado ao clube do Orlando Soccer City, time com sede na cidade de Orlando, estado da Flórida, nos Estados Unidos.

“Nós fizemos essa visita no ano passado e os dirigentes do Orlando City propuseram nos visitar aqui em Roraima. Foram eles que sugeriram a vinda do Edilson, que é um jogador com um histórico de vida no esporte muito bonito, é um jogador carismático, que gosta de crianças e que está contribuindo com toda a sua experiência”, destacou.

Pentacampeão mundial pela seleção brasileira em 2002, Edilson Capetinha tem 48 anos. Possui vasta experiência como jogador profissional, tendo atuado em clubes famosos como Corinthians, Palmeira, Flamengo, Vasco da Gama e Vitória

Em clubes estrangeiros, ele já passou por equipes como o Kashiwa Reysol do Japão, Benfica de Portugal e o Al Ain dos Emirados Árabes. Essa é a primeira vez que o jogador visita Roraima, estado por qual passou a nitrir grande simpatia.

“Estou muito feliz em estar aqui. Fui muito bem recebido e está sendo uma honra estar participando desse trabalho com as crianças. Trazer um pouco da minha experiência como jogador profissional, ensinamentos de vida, tudo aquilo que passei na carreira vai sem dúvida ser de muita importância para o futuro deles”, pontuol.

Atualmente, a escolinha de futebol dirigida por Ton Behenck possui 230 alunos, com idades entre 03 a 15 anos. Por conta desse número, as atividades com Edilson Capetinha foram divididas em duas turmas. O representante do Orlando City Soccer, Ricardo Paraventis, falou um pouco da satisfação da entidade em estar contribuindo para a realização da ação no Estado.

“Essa é a quarta vez que o Orlando City promove essa troca de experiência no Brasil e a gente fica feliz em conhecer um estado como Roraima. É muito bacana trazer um pouco da nossa metodologia de treinamento para as crianças e a gente espera que eles estejam se divertindo com essa atividade”, destacou.

Para o pequeno Henrique Lima Michetti, 10 anos, essa já estão considerada uma experiência para a vida toda. “Quando ele [Edilson] foi pentacampeão, eu ainda nem era nascido, mas apesar disso, já conhecia as história dele como jogador e está sendo uma experiência muito bacana”, relatou.

Outro aluno que também gostou da atividade dessa manhã foi Almiro Júnior, 10 anos. O garoto contou que a troca de conhecimento que teve com o pentacampeão o fez ter a absoluta certeza de que vai adotar a profissão de jogador de futebol como carreira para o futuro.

“Me sinto honrado estar participando dessa experiência. Eu já gostava de futebol e agora com essa atividade é que tenho certeza de que quero isso para o futuro”, concluiu.

(Foto: Diane Sampaio)
(Foto: Diane Sampaio)
(Foto: Diane Sampaio)
(Foto: Diane Sampaio)
(Foto: Diane Sampaio)
(Foto: Diane Sampaio)
(Foto: Diane Sampaio)
(Foto: Diane Sampaio)
(Foto: Diane Sampaio)
(Foto: Diane Sampaio)
Adailton Silva Oliveira disse: Em 24/02/2018 às 15:02:56

"Enquanto isso, os muleques que jogam porque tem o futebol no sangue não recebe nem um thau, capetinha que vê Futebol, vem na frente da minha casa, vê os Magrelos que jogam futebol no asfalto."