HIIT
Novo treinamento é indicado para quem não tem tempo para fazer atividade física
Gostei (1) Não gostei (2)
O HIIT pode derrubar a barreira mais comum citada para a pouca atividade física, que é a "falta de tempo"
Por Raisa Carvalho
Em 14/12/2017 às 00:29
A única regra é que a pessoa faça exercícios de alta intensidade intervalados (Fotos: Divulgação)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda, para adultos entre 18 e 64 anos, pelo menos 150 minutos de atividade física de intensidade moderada ou 75 minutos de atividade física de intensidade vigorosa por semana, porém uma pesquisa realizada pela VIGITEL 2016 (vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas) mostrou que a soma de minutos despendidos em atividades físicas no deslocamento para o trabalho/escola e na atividade ocupacional, não alcançou o equivalente a, pelo menos, 150 minutos semanais por 45,1% da população adulta estudada, sendo este percentual maior entre mulheres (54,5%) do que entre homens (34,1%). 

De acordo com o médico endocrinologista Cesar Penna, as causas mais frequentes são falta de tempo, baixa motivação e aderência. Porém, um novo estilo de prática física inspirou diferentes programas de exercício para aqueles que não têm tempo. Trata-se do HIIT, sigla para o termo em inglês Intensity Interval Training este foi um método inovador criado pela American College Sports. A metodologia revolucionou o mundo da malhação e do emagrecimento, logo, que atualmente, grande parte dos treinos usa essa prática como base.

“Uma das principais vantagens da atividade física de intensidade vigorosa (HIIT), em comparação com o exercício de menor intensidade e mais longa duração, é que o HIIT requer menos tempo para se dedicar ao exercício e, ao mesmo tempo, proporciona benefícios semelhantes ou maiores relacionados à saúde”, explica.

Com o treino de alta intensidade, otimizou-se o tempo da queima de gordura e se diminuiu o tempo que a pessoa precisa se exercitar, o que aumentou foi a intensidade.

“Como resultado, tem sido teorizado que o HIIT pode derrubar a barreira mais comum citada para a pouca atividade física, que é a "falta de tempo". Neste sentido, uma metanálise realizada em 2016 revelou que o HIIT é percebido como um exercício mais agradável em comparação com outras modalidades de exercícios, em jovens obesos, o que teria implicações para participação na adesão a este tipo de atividade, o que poderia favorecer maior motivação”, explicou o médico.

O HIIT envolve estímulos repetidos de exercícios curtos em intensidades altas, separados por períodos de recuperação. “Numerosos estudos já demonstraram maiores benefícios relacionados à saúde com o HIIT em comparação com o treinamento contínuo tradicional. Comparado a este tipo de treinamento, o HIIT demonstrou ser superior efetivamente no aumento da capacidade aeróbia e em reduzir os fatores de risco associados à síndrome metabólica, incluindo pressão arterial; à ação de insulina, o HIIT pode promover melhorias no controle de glicose e saúde cardiovascular em indivíduos com diabetes tipo 2 (DM2), com efetividade e segurança”, relatou o endocrinologista.

O HIIT requer muito menos compromisso de tempo em comparação com treinamento tradicional contínuo, não obstante, provoca muitas das mesmas melhorias na saúde geral. “Recomenda-se, ainda, uma avaliação médica prévia para se iniciar um programa de treinamento, seja o mais tradicional ou o HIIT, no sentido de minimizar os riscos à saúde do praticante”, finaliza o médico.

COMO FUNCIONA O TREINAMENTO HIIT

O treinamento HIIT consiste numa sequência de exercícios intervalados com pequenos descansos que variam de 30 a 60 segundos. Geralmente eles começam com 3 minutos de aquecimento e podem durar de 5 a 15 minutos de prática diária. A prática é muito dinâmica o que evita que a pessoa se canse de realizar movimentos repetitivos, mas exige muito fôlego.

No fim da prática diária, quando o seu corpo foi induzido ao máximo de esforço, os seus músculos continuam contraídos por até 48 horas. É por isso que alguns se referem ao treinamento HIIT como uma possibilidade de emagrecer até dormindo, afinal, o seu corpo ainda estará sob os efeitos da prática física.

A maioria das aulas de treinamento HIIT mistura diferentes modalidades físicas para que todo o corpo seja trabalhado. No entanto, é também possível planejar o exercício para que se adapte a qualquer categoria esportiva como corrida, ciclismo, bike ergométrica, flexões, abdominais, natação, remada e diversas outras.

Jean Carlo disse: Em 17/12/2017 às 15:18:12

"Olá, meu nome é Jean, atualmente sou presidente do Conselho Regional de Educação Física da 8ª Região ? CREF8/AM-AC-RO-RR. Primeiro quero parabenizar a iniciativa de divulgar o HIIT, já que hoje é a metodologia mais utilizada no mundo fitness para aqueles que buscam emagrecimento e condicionamento. Percebi que a principal fonte da matéria foi um médico, no qual abordou muito bem os benefícios da prática do HIIT mas, percebi que faltaram pequenas informações que fazem toda a diferença na prática do HIIT e informações que são de competência de um Profissional de Educação Física. São elas: 1º - A única regra é que a pessoa faça exercícios de alta intensidade intervalados. Esta afirmativa é extremamente perigosa para o público de uma forma geral, pois, no caso da bicicleta e esteira há uma necessidade de teste para ajuste do tempo de estimulo, tempo de recuperação e tempo total da sessão. Um erro aqui implica em fazer um exercício com intensidade abaixo ou acima do adequada, no caso de acima pode levar ao praticante um risco desnecessário. 2º - O texto fala da uma meta análise, mas não deixa a referência. Mesmo sabendo que é um texto para público não profissional da área, não seria interessante deixar as fontes das citações? Pois, existem muitos profissionais que podem ter o interesse em buscar essa meta análise, assim como eu. 3º - Nesta parte do texto: O treinamento HIIT consiste numa sequência de exercícios intervalados com pequenos descansos que variam de 30 a 60 segundos. O correto seria: o HIIT consiste em uma sequência de estímulos de alta intensidade separados por um tempo de recuperação. Hoje na literatura não existe uma regra de tempo de estímulo e ou tempo de recuperação para caracterizar o HIIT (MACHADO, 2017). 4º - Os músculos não ficam contraídos por até 48 horas. O que acontece na verdade é um aumento do metabolismo de repouso o que irá gerar maior eficiência no consumo calórico mesmo em repouso. 5º - A maioria das aulas de HIIT mistura diferentes modalidades... Na verdade, o HIIT pode ser aplicado em diversas modalidades, sendo as mais comuns: bicicleta, esteira, corrida e peso corporal (HIIT BODY WORK). O HIIT Body Work hoje é sem dúvida a modalidade de HIIT mais praticada em todo o mundo, pois, requer apenas o corpo para sua prática e muita disposição também. Para que uma sessão de peso corporal seja elaborada de forma correta para o praticante deve-se levar em consideração o nível de condicionamento do aluno para a seleção dos exercícios. Para indivíduos iniciantes recomenda-se exercícios mais simples e para os mais avançados os exercícios complexos. A carga de tempo como é chamada o ciclo de treino deve ser também diferenciada entre os praticantes. Para os iniciantes mais tempo de recuperação do que estímulos e para os avançados mais tempo de estimulo que recuperação (MACHADO, 2017). Obs.: Hoje os artigos do Professor Machado, que é um brasileiro, são usados em todo o mundo como referência para o treinamento do HIIT com peso corporal. Link dos artigos https://goo.gl/QyAypv https://goo.gl/ORCSTO Cordialmente, Jean Carlo"