TRÂNSITO VIOLENTO
Motorista invade preferencial e mata motociclista no Paraviana
A vítima era venezuelana e morava em Roraima há poucos meses; Corpo ainda está no IML aguardando liberação
Por Tarsira Rodrigues
Em 13/11/2017 às 01:45
Após atropelar a motociclista, condutor bateu no muro de uma residência (Foto: Diane Sampaio)

Um grave acidente ocorrido por volta das 8 horas da manhã de ontem, 12, no cruzamento da Avenida Pitombeira com Rua Zacarias Mendes Ribeiro, no bairro Paraviana, tirou a vida da jovem venezuelana Valentina Estefânia Dominguez Urbina, de 27 anos. 

Ela seguia em uma moto Yamaha pela Avenida Pitombeira, quando o motorista que vinha, segundo a polícia, na direção do balneário da Polar, teria invadido a preferencial e atingido a moto que Valentina pilotava.

O choque entre os dois veículos foi fatal para a condutora da motocicleta, que foi arremessada por vários metros após a colisão. Após colidir com a moto, o carro invadiu e destruiu parte do muro de uma residência no cruzamento.

Segundo informações dos policiais militares que atenderam a ocorrência, o motorista do carro estaria em visível estado de embriaguez, mas se recusou a realizar o teste de alcoolemia [bafômetro]. Mesmo diante da recusa, segundo a Polícia Civil, foi construído um laudo de constatação de embriaguez e ele foi preso em flagrante por dirigir sob efeito de bebida alcoólica e arbitrada uma fiança de R$ 12 mil.

Com ferimentos na perna, o condutor suspeito de causar o acidente está preso, porém custodiado no Hospital Geral de Roraima (HGR), onde está recebendo atendimento médico. A reportagem apurou também junto a Central de Flagrantes, que se ele [condutor] não pagar a fiança em tempo hábil, que é de aproximadamente 24 horas, será submetido à audiência de custódia.

A perícia foi realizada pela Polícia Civil e, tão logo saia o laudo segundo a polícia, será possível conhecer as causas do acidente. O condutor também poderá responder pelo crime de homicídio doloso [quando existe a intenção de matar, segundo o Código Penal Brasileiro].

A jovem não possuía família em Roraima e era moradora do bairro Paraviana. Segundo um amigo da vítima que não quis revelar a identidade, ela ainda buscava emprego no Brasil.

O amigo já entrou em contato com os familiares de Valentina, que estariam na cidade de Puerto Ordaz, na Venezuela. O corpo da jovem continua no Instituto de Medicina Legal (IML), aguardando a liberação que só pode ser feita mediante o comparecimento de um familiar.

Bira disse: Em 13/11/2017 às 16:59:01

"Um Crime sem chance de devesa para a vitima, podendo o infrator daqui uns dias matar outra pessoa!!!"

Henrique Sérgio Nobre disse: Em 13/11/2017 às 08:48:13

"O que se pode pedir? Cadeia nele. muita cadeia mesmo."

THIAGO CASTRO disse: Em 13/11/2017 às 08:37:23

"VAGABUNDO SAFADO , SO SE ARRANHOU , AINDA RESISTIU A PRISÃO E QUERIA FUGIR , ERA PRA TER SIDO CONTIDO COM TIROS NAS PERNAS DE NOVO , PILANTRA , TOMARA QUE APODREÇA NA CADEIA "

Christhian Rodolfo Torres Dominguez disse: Em 13/11/2017 às 07:15:54

"Sera que era...................................................... HABILITADA"