SEM SALÁRIO
Merendeiras pedem ajuda para sobreviver
Trabalhadoras de escolas estaduais estão há três meses sem receber e passam por dificuldades
Por Erik Mota
Em 06/02/2018 às 14:00
Com salários atrasados há cerca de três meses, merendeiras das escolas estaduais passam por dificuldades (Foto: Divulgação)

Grávida de 6 meses e com 2 filhos pequenos para sustentar, a seletivada G.D.S, 26 anos, entrou em depressão por conta dos problemas financeiros que enfrenta.

“Sou separada e tenho dois filhos para sustentar. Trabalho todos os dias e tenho direito a receber meu salário. Agora serei despejada por não ter como pagar aluguel e não tem quem me ajude, nada fazem em relação a nossa situação” disse.

Com salários atrasados há cerca de três meses, ela e outras merendeiras das escolas estaduais passam por dificuldades para conseguir sobreviver e pagar as despesas como aluguel, agua e luz além de dinheiro para comprar comida.

Algumas deixaram de ir trabalhar pois não tem como pagar o transporte até as escolas.

Segundo denúncia feita pelas funcionárias seletivadas, o ordenado referente aos meses de dezembro e janeiro não foi depositado, sendo que existem outras trabalhadoras contratadas por meio de processo seletivo realizado em 2016 que não recebem desde novembro.

“O último pagamento depositado referente ao mês de novembro foi no dia 13 de dezembro de 2017. Para a liberação de salários, todos os meses é preciso pagamento de R$ 60 reais, referente à nota de empenho, que temos que levar na Sefaz para dar baixa”, disse. “No mês de dezembro eu paguei duas notas; de dezembro e janeiro, desde então a gente não recebe e quando volto lá, nos informam que não tem sistema para efetuar o pagamento”, complementou.

Ainda conforme a merendeira, a situação tem ocasionado transtornos à sua vida e de sua família. “Está muito difícil ter que enfrentar essa situação, estou muito abalada devido as contas atrasadas, sem ter condições de alimentar meus filhos, estamos sobrevivendo da ajuda de familiares”, lamentou.

“Além disso, eu não tenho como ir ao trabalho e estou pegando falta”, disse a trabalhadora.

O OUTRO LADO – A equipe de reportagem da Folha Web entrou em contato com a Secretária Estadual de Educação (Seed), que informou, por meio de nota, que o envio de pagamento de  merendeiras, cuidadores, intérpretes em libras e funcionários do Centro de Equoterapia foi encaminhado ao banco e deve estar disponível aos servidores em até 48 horas.

Robinho disse: Em 06/02/2018 às 22:59:44

"A questão que essa palhaçada sempre e continua acontecendo e ninguém é responsabilizado, os órgãos fiscalizadores estão inertes aos problemas da população. Eita país corrompido "

Marco Aurelio Pinheiro Sousa disse: Em 06/02/2018 às 18:16:05

"Isso é uma vergonha! Até quando o MP vai ficar nessa inércia compactuando com esse Governo irresponsável sem fazer nada? "

BadBoy disse: Em 06/02/2018 às 17:54:36

"E por favor, postem meus comentários pois a ditadura já ficou pra trás."

BadBoy disse: Em 06/02/2018 às 17:53:42

"Cadê os defensores dos venezoelanos agora??? Povo querendo ajudar os de fora, enquanto quem vive nesse país de hipócritas, paga seus impostos (que não são poucos) não tem saúde, educação e segurança. Lindo né? Projeto Adote um Venezoelano. Tá com pena? Leva pra casa."

BadBoy disse: Em 06/02/2018 às 17:52:31

"Cadê os defensores dos venezoelanos agora??? Povo querendo ajudar os de fora, enquanto quem vive nesse país de hipócritas, paga seus impostos (que não são poucos) não tem saúde, educação e segurança. Lindo né? Projeto Adote um Venezoelano. Tá com pena? Leva pra casa."

Castro disse: Em 06/02/2018 às 17:52:03

"Veja aí o povo brasileiro passando fome por conta de salários atrasados e os governos junto com uma meia dúzia de alienados preocupados com bem estar de imigrantes ê Brasil sem jeito num cuida nem dos nacionais quer assumir a miséria de outros países vai intender esses malucos"

fabio disse: Em 06/02/2018 às 16:30:51

"Peça indenização por danos morais decorrente desta situação humilhante...não precisa sair do emprego, possivelmente tens direito a uma indenização...procure a justiça do trabalho, é grátis e não paga p lhe prestar orientação... procure o ministério público do trabalho tbm...não se calem diante desta falta de vergonha dos governantes!"

Jesus está voltando! disse: Em 06/02/2018 às 15:36:55

"Quem vai votar na Suely Curti ai! mais se ta comigo, clica dedinho pra baixo!"