GOLPE DO DETRAN
Membros de quadrilha respondem por corrupção ativa
Gostei (0) Não gostei (0)
Por Ana Gabriela Gomes
Em 27/02/2018 às 01:18
Presidente do Detran, TitonhoBeserra, delegada-geral da Polícia Civil, Edinéia Chagas, e adjunto da DRCAP, delegado Rodrigo Gomides, reforçaram o alerta a usuários de aplicativos (Foto: Hione Nunes)

A abordagem é quase sempre a mesma. Um desconhecido, que se passa por funcionário do Departamento Estadual de Trânsito (Detran), entra em contato com pessoas aleatórias para negociar a venda de carros e motocicletas que estariam apreendidos no pátio do órgão em Boa Vista ou para entregar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) com reconhecimento no sistema. Na maioria das vezes, o contato é feito por mensagens via WhatsApp.

A Polícia Civil reforçou o alerta sobre o ‘Golpe do Detran’, como ficou conhecido o crime, durante coletiva de imprensa realizada na manhã dessa segunda-feira, 26. Além da delegada-geral da Polícia Civil, Edinéia Chagas, a coletiva contou com a presença do diretor presidente do Detran, Titonho Beserra, e do adjunto da Delegacia de Repressão a Crimes contra a Administração e Serviços Públicos (DRCAP), delegado Rodrigo Gomides.

Mesmo com as investigações em andamento, a delegada-geral informou que a Polícia Civil já conseguiu identificar pessoas envolvidas no golpe. “Trata-se de uma organização criminosa formada por pessoas de Roraima e de outros Estados”, afirmou. Até o momento, as investigações apontaram a participação de quatro pessoas, sendo dois dos envolvidos já processados criminalmente por corrupção ativa.

Para Edinéia, a principal orientação é não facilitar para os criminosos e, no caso de ter alguma multa ou apreensão junto ao Detran, procurar o órgão para resolver a situação da maneira correta. “Essas duas pessoas vão responder processo em liberdade porque pagaram fiança. Apesar disso, fica o alerta para a população sobre esse tipo de situação. Se você tem dívida no Detran, procure o órgão e resolva a questão de forma justa”, disse.

Um dos responsáveis por conduzir as investigações, delegado Rodrigo Gomides, explicou que o processo de apuração do crime foi iniciado há cerca de seis meses, após a divulgação das primeiras denúncias. “Eles enviam mensagens aleatoriamente. A vítima fica na ambição e responde a mensagem. Ao final, o golpista encaminha o número de uma conta e, às vezes, as pessoas depositam”, pontuou.

Em setembro do ano passado, a Folha noticiou uma tentativa do golpe. Na mensagem enviada pelo golpista, que se identificou como “Valmir”, ele dizia que já teria tirado multas de um veículo do sistema e que o comprador poderia buscar o carro no dia seguinte. À época, o chefe de fiscalização do Detran, Vilmar Florêncio, passou a ser procurado quase que diariamente em razão da semelhança dos nomes.

Com a procura pelo chefe de fiscalização ainda acontecendo, o diretor presidente do Detran, Titonho Beserra, expressou a preocupação que os casos do golpe vêm trazendo. “A gente percebe que: ou as pessoas são ingênuas ou se passam por ingênuas. O golpe é tão frágil que o mínimo de consciência crítica permitiria se livrar. As pessoas procuram os atalhos e caminhos mais fáceis, que na maioria das vezes não são os mais indicados”, afirmou. Conforme as investigações, não há envolvimento de servidores do Detran no golpe.

A pessoa que receber mensagem ou ligação dos golpistas deve procurar a delegacia mais próxima para registrar a ocorrência. Conforme Edinéia, o mesmo vale para quem já pagou e caiu no golpe. “Não se envergonhe, você não foi o primeiro e talvez não seja o último. Procure uma delegacia, faça o B.O e entregue a documentação comprovando o depósito. Isso vai ajudar a identificar todos os que participam dessa cadeia de crimes”, finalizou. (A.G.G)

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!