ENFERMAGEM E EDUCAÇÃO
Legislativo inclui recursos para pagar progressões aos servidores
Gostei (8) Não gostei (2)
Por Folha Web
Em 29/12/2017 às 01:16
Servidores da Enfermagem fizeram vigília para cobrar progressões e retroativos (Foto: Nilzete Franco)

O Poder Legislativo aprovou, por unanimidade, a inclusão de emendas destinadas a pagar progressões aos servidores da Enfermagem e da Educação.

Para a Enfermagem foi destinada uma emenda de R$ 6 milhões para pagamento de progressões salariais. A emenda vai beneficiar mais de 2,3 mil profissionais. O presidente do Sindicato de Enfermagem, Melquisedeque Menezes, teceu críticas ao Poder Executivo, que pelo terceiro ano consecutivo enviava a peça orçamentária para o Poder Legislativo sem contemplar os servidores da Enfermagem. “É lamentável o Poder Executivo não ter nos contemplado”, afirmou.

Profissionais em Educação do Estado de Roraima também foram beneficiados com a aprovação de emenda de comissão no Orçamento de 2018, no montante de R$ 12 milhões, para pagamento de retroativo de progressões horizontais, ou seja, por tempo de serviço.

A emenda – apresentada pelos deputados Jalser Renier (SD) e Lenir Rodrigues (PPS), e ratificada pelos demais parlamentares – será utilizada para pagamento retroativo das progressões salariais de professores, técnicos em educação, orientadores e supervisores educacionais da Rede Estadual de Ensino.

Conforme o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Roraima (Sinter), Flávio Bezerra, esse montante não atenderá a todos os servidores, mas é um avanço na luta da categoria. “A dívida é muito maior que R$ 12 milhões, mas já é o primeiro passo, aliás, um grande passo que dá ao Sinter, aos profissionais, a causa em defesa do trabalhador da Educação”, complementou.

O presidente da Assembleia Legislativa de Roraima, deputado Jalser Renier (SD), falou sobre as progressões. “O pagamento desses profissionais vem pelas mãos da Assembleia. Vale a pena ver a alegria, ver o direito desses servidores ser respeitado. Resta agora ao governo cumprir a sua parte”, disse Renier.

Mohammed Pataxó disse: Em 29/12/2017 às 09:09:10

"Digo e repito: esse (des)governo não respeita o funcionário público concursado."