PRISÃO PREVENTIVA
Justiça mantém presos pais de bebê que morreu no Vila Jardim
Pais afirmaram à Polícia que saíram por menos de 20 minutos para ir a um bar e passar em um supermercado, encontrando a criança morta no retorno
Por Folha Web
Em 02/01/2018 às 09:00
Laudo apontou que a criança morreu após ter sofrido hemorragia pulmonar e hemorragia intracraniana em decorrência de traumatismo craniano

O Tribunal de Justiça de Roraima (TJRR) manteve presos o pai e a mãe do bebê S. V. N, de 08 meses, que morreu às 21h de sábado, 30, no condomínio Açaí do residencial Vila Jardim, bairro Cidade Satélite.

A prisão em flagrante foi convertida por prisão preventiva após o laudo pericial do Instituto Médico Legal (IML), que consta na decisão, apontar que a criança morreu após ter sofrido hemorragia pulmonar e hemorragia intracraniana em decorrência de traumatismo craniano.

Os pais alegaram à Polícia que foram os únicos adultos que tiveram acesso á residência, onde encontraram a criança falecida. Eles afirmaram que saíram por menos de 20 minutos para ir a um bar e passar em um supermercado, encontrando a criança morta no retorno.

Conforme a decisão, a prisão foi mantida devido pela violência das agressões sofridas pela vítima, que resultou no óbito do bebê, havendo risco de reiteração da conduta com a liberdade, tendo em vista que  casal tem outro bebê de oito meses e uma criança de cinco anos sob sua custódia.

A Justiça pediu que o Conselho Tutelar fosse acionado para verificar a situação das demais crianças conforme a necessidade de acolhimento institucional ou de concessão de guarda provisória à família extensa. Foi pedido ainda a realização de médico no outro bebê de oito meses, para resguardar eventual prejuízo à sua saúde.

CASO - A história inicial é de que os pais da criança teriam deixado ele dormindo e descido para a área de convivência do residencial, porém de hora em hora e a mãe subia para  ver como a criança estava.

Uma testemunha contou a reportagem, que em uma dessas subidas, “ela notou que neném não respirava mais, aparentemente ele teria sufocado com o lençol. Ele desceu do apartamento desesperada com a criança no colo e daí chamamos o socorro”, contou.

O Serviço Móvel de Atendimento de Urgência foi chamado (Samu), fizeram os procedimentos de reanimação na criança, porém ele não reagiu .

Não existem comentários. Seja o primeiro a comentar!