NO HGR
Homem atira no braço para ser atendido em hospital
Gostei (16) Não gostei (35)
Não querendo esperar atendimento, suposto agente disparou contra si mesmo para ser atendido mais rapidamente
Por Folha Web
Em 17/05/2017 às 21:30
(Foto: Divulgação)

Um suposto policial civil atirou no próprio braço, após se aborrecer com a demora do atendimento do trauma do Hospital Geral de Roraima (HGR).

Testemunhas contaram que o suposto policial chegou ao local sentindo fortes dores no braço e quis ser atendido de imediato, mas teve o pedido negado.

Segundo a testemunha, o homem ainda questionou na recepção: “E se eu forçar o atendimento dando um tiro no meu braço?".

Quando recebeu a resposta que teria que entrar pelo Pronto Atendimento e aguardar sua vez na fila, ele caminhou até perto de uma guarita que fica no local, sacou uma arma de fogo, encostou o braço no muro e "após o disparo retornou para o atendimento todo ensangüentado”, contou a testemunha.

Depois do episódio, o cidadão foi atendido rapidamente pelo trauma do hospital.

A reportagem solictou mais informações junto a Assessoria de Comunicação do Governo de Roraima (Secom-RR) que explicou que o HGR (Hospital Geral de Roraima) segue o que normatiza a Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS (Sistema Único de Saúde), com acolhimento e classificação de risco por cores.

As cores variam de acordo com a necessidade do atendimento, onde, o vermelho, por exemplo, identifica atendimento imediato e o azul, de menor urgência. 
 
Contudo, para se definir a cor da pulseira que vai identificar o atendimento, o paciente passa por uma triagem feita pela equipe de enfermagem de plantão, seguindo critérios e normas.
 
"A Sesau lamenta o caso ocorrido na noite desta quarta-feira, 17, no HGR e adianta que o caso será devidamente apurado." concluiu a nota.

Confira o áudio da testemunha:

Anselmo Almeida disse: Em 18/05/2017 às 22:37:52

"Infelizmente esse é o plano de saúde que temos. Com os impostos mas altos do mundo. Parabéns pra nós servos ignorante. "

???? disse: Em 18/05/2017 às 14:11:32

"Se a moda pega!"

Adailton Rodrigues disse: Em 18/05/2017 às 09:43:37

"A pessoa para chegar a tomar uma atitude dessas deve estar desesperadamente necessitando de um bom acompanhamento psicológico. Ninguém estando gozando de perfeita saúde atentados contra sua própria integridade física."

Paula Tejando disse: Em 18/05/2017 às 00:40:15

"Alô, Corregedoria da Polícia Civil!!!!!!!"