CRISE MIGRATÓRIA
Governadora receberá ministros para tratar de Segurança Pública
Para o Governo do Estado, a vulnerabilidade da fronteira com a Venezuela está fortalecendo as organizações criminosas
Por Folha Web
Em 01/02/2018 às 01:23
Durante audiência, a governadora Suely Campos pretende apresentar novamente aos ministros um plano estratégico de controle das fronteiras, com reforço do Exército e da Polícia Federal (Foto: Secom-RR)

A governadora Suely Campos (PP) receberá na próxima semana em Roraima os ministros da Justiça, Torquato Jardim, da Defesa, Raul Jungmann, e do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Sérgio Westphalen Etchegoyen. A audiência vai tratar sobre Segurança Pública e a situação da crise migratória no Estado.

A reunião, solicitada pela governadora, inicialmente seria realizada em Brasília, mas foi alterada para Boa Vista em função da visita dos ministros à fronteira com a Venezuela. A audiência acontecerá na próxima quinta-feira, 8 de fevereiro, às 11h, no Palácio Senador Hélio Campos. Os ministros vão passar a manhã em Roraima e depois devem seguir para o Suriname.

Na ocasião, a chefe do Executivo Estadual vai reforçar a solicitação feita desde o ano passado ao Presidente da República, Michel Temer (PMDB), e aos ministros, de controle na fronteira, principalmente com a Venezuela, com o reforço do efetivo da Polícia Federal e o emprego do Exército em operação de garantia da lei e da ordem, para que os militares possam efetivamente patrulhar a fronteira e fiscalizar o ingresso de estrangeiros no país.

A governadora também vai apresentar aos ministros uma nova versão do Plano Estratégico de Controle Fronteiriço, com a visão geral das fronteiras do Estado de Roraima. A primeira versão foi entregue pela governadora em mãos aos ministros Torquato, Jungmann e Etchegoyen, em outubro do ano passado, durante o Fórum de Governadores do Brasil, realizado em Rio Branco, no Acre, justamente para discutir a segurança nas fronteiras.

MOTIVAÇÃO – Segundo o Governo do Estado, a decisão de solicitar a audiência com os ministros foi tomada após reunião da governadora com a cúpula da segurança pública do Estado, no dia 22 de janeiro deste ano.

“Uma das principais preocupações das autoridades de segurança de Roraima diz respeito ao patrulhamento das fronteiras, por onde entram armas e drogas que financiam organizações criminosas, responsáveis pelo aumento da criminalidade em Roraima”, frisou o Governo. “A vulnerabilidade da fronteira com a Venezuela está fortalecendo as organizações criminosas, que consideram Roraima um Estado estratégico para o tráfico de drogas e para ter acesso a armas”, completou.

FRONTEIRA - Com relação à fiscalização das fronteiras, o Estado ressaltou que se trata de uma atribuição do Governo Federal e que a audiência também busca reforçar o pedido de maior controle na área. Segundo a Administração estadual, em Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, há inclusive um Pelotão Especial de Fronteiras, mas conforme a Constituição Federal, o Exército só pode atuar em operações de garantia da lei e da ordem mediante decreto do Presidente da República.

“Vou reiterar o pedido para que o Exército faça o patrulhamento da fronteira. O nosso governo tem atuado de forma solitária no combate à criminalidade. É preciso que a União assuma o controle das fronteiras, que é um problema nacional. Recentemente os governadores de todo o Brasil se reuniram no Acre e a pauta do encontro era justamente a ausência do Governo Federal no seu papel constitucional de fiscalizar as fronteiras”, disse Suely.

SISTEMA PRISIONAL – Além disto, o Governo do Estado também pretende reforçar com o ministro da Justiça, Torquato Jardim, o pedido já oficializado da presença imediata da Força Tarefa de Intervenção Prisional para atuar dentro da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (Pamc) e que a Força Nacional de Segurança seja enviada para reforçar a segurança nas fronteiras com a Venezuela e a Guiana.

ADNIL BARROS CAVALCANTE disse: Em 01/02/2018 às 13:34:02

"Governadora, além da segurança pública e imigração em nossas fronteiras, temos que aproveitar e relembrar aos ministros e assessores de problemas antigos que precisam ser urgentemente resolvidos no Estado, tais como: 1- O assentimento prévio do Conselho de Defesa Nacional (CDN) para que o Iteraima emita títulos de propriedade aos produtores rurais que possuem posses a menos de 150 Km das fronteiras com a Venezuela e Guiana. Enquanto não ocorrer tal providência, o Iteraima não poderá emitir títulos de propriedade, porém, apenas a Autorização de Ocupação (AO) que não permite que os Bancos concedam operações de INVESTIMENTOS aos produtores impedindo, consequentemente, o desenvolvimento do Estado; 2- Retomada da construção do Linhão de Tucuruí que foi prometida em 2017 pelo presidente Temer aos parlamentares em Brasília e até o presente momento nada. Muda a presidência da FUNAI e nada avança na negociação com os indígenas. Por ventura se estes dois itens forem também equacionados, certamente, teremos mais ocupação, emprego e renda à população do Estado e, por tabela, aos imigrantes da Venezuela."

rota_RR disse: Em 01/02/2018 às 10:58:03

"EU QUERO É SABER DO MEU PAGAMENTO, LOGO LOGO ESTAREI NO SINAL LIMPANDO VIDROS POR MÍZERAS MOEDAS."

Jesus está voltando! disse: Em 01/02/2018 às 15:59:44

"Isso ai, fica profetizando coisa ruim pra você ver onde você vai parar!"

???? disse: Em 01/02/2018 às 08:43:30

"Quem vai votar na Suely clica Curti, se não, clica Não Curti"

rnuj disse: Em 01/02/2018 às 06:53:00

"#VenezuelanoNaoVota TEMOS QUE LEMBRAR NAS REDES SOCIAIS DOS NOSSOS POLÍTICOS QUE ELES VÃO PEDIR VOTOS É DE NÓS, BRASILEIROS!!! #VenezuelanoNaoVota "