CONSELHO DE FARMÁCIA
Em seis meses, CRF expede mais 60 autos de infração por falta de profissional farmacêutico
Gostei (9) Não gostei (5)
Ausência de farmacêuticos em estabelecimentos que comercializam medicamentos ou unidades de saúde é o principal motivo
Por Folha Web
Em 14/07/2017 às 01:29
O farmacêutico que não estiver na drogaria pode ser suspenso por até um ano e até perder o diploma (Foto: Hione Nunes)

A falta de farmacêuticos nos estabelecimentos que comercializam medicamentos foi a principal infração encontrada nas fiscalizações realizadas pelo Conselho Regional de Farmácia do Estado de Roraima (CRF-RR) no primeiro semestre de 2017. Somente nos primeiros seis meses deste ano, mais de 60 autos de infração foram abertos pelo Conselho contra farmacêuticos ausentes.

Segundo o presidente do CRF, Adônis Motta, a falta de farmacêuticos nas farmácias e hospitais é preocupante. “Somente o farmacêutico possui o entendimento da composição, necessidade e contraindicação de cada medicamento que é oferecido aos pacientes. Sem a assistência desse profissional, tratamentos são abalados, o que representa um risco para toda a população”, afirmou.

A multa para o estabelecimento, no caso de ausência de farmacêutico, é de três salários-mínimos. Para o profissional, um processo ético é aberto, que pode resultar numa notificação, numa suspensão de até um ano ou na perda do diploma.

O Conselho Regional de Farmácia realiza inspeções em cerca de 1.200 estabelecimentos em todo o estado de Roraima, fiscalizando cada um deles de quatro a cinco vezes ao ano. Além de farmácias e hospitais, a verificação de atividades farmacêuticas também é feita em indústrias, transportadoras, laboratórios e distribuidoras.

Apesar das inspeções serem voltadas para o profissional farmacêutico, o Conselho Regional de Farmácia também encaminha infrações e denúncias relacionadas às condições dos estabelecimentos e medicamentos. “Já nos deparamos com remédios vencidos, fracionados ou sem instrução. Todos esses casos são anotados por nós e mandados para a Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]”, complementou. Tal ação contribuiu para que 15 estabelecimentos em Roraima fossem constatados como irregulares pela Vigilância Sanitária este ano.

A farmacêutica Cleopatra Merlin aprovou a fiscalização. “O farmacêutico precisa estar na farmácia. Sem a sua presença, falta direcionamento para quem precisa. Manipulação e informações relacionadas ao uso de medicamento, quantidade, frequência, composição e reações adversas são todas de responsabilidade dele”, comentou.  

Denúncias relacionadas à ausência de farmacêuticos em drogarias e unidades de saúde podem ser feitas na Central de Atendimento do Conselho Regional de Farmácia pelo número (95) 3224-2957, ou através do e-mail crfrr@hotmail.com. (P.B)

falei disse: Em 14/07/2017 às 10:14:23

"O problema é que se paga muito pouco para o Farmacêutico e esse por sua fez atende várias Farmácias ao mesmo tempo paras poder obter um salário melhor. Por isso que quando a fiscalização chega não encontra o Farmacêntico no local. Os que ficam são,na grande maioria o próprio dono da Farmácia, por isso é que estão no posto de trabalho. O problema vem se arrastando e até hoje não teve a divida solução. É necessário remunerar melhor os Farmacêutos para que eles atendam as Farmácias."