MISTÉRIO
Depois de um mês sumido, bombeiro civil reaparece
Denilson Simões do Nascimento estava barbado, abatido e com marcas de cordas no pescoço e nos pulsos
Por João Barros
Em 23/12/2017 às 00:40
Familiares postaram uma foto junto ao bombeiro civil, enquanto ele estava internado no HGR na tarde de ontem (Foto: Divulgação)

O ex-militar do Exército e bombeiro civil, Denilson Simões do Nascimento, de 43 anos, reapareceu no final da tarde de ontem, dia 22, após o sumiço misterioso que durou 25 dias, tendo em vista que o fato ocorreu no dia 27 de novembro. De acordo com os relatos de alguns bombeiros civis à Folha, o homem conseguiu sair de um cativeiro localizado entre os municípios de Mucajaí e Iracema, na região Centro-Sul do Estado.

Quando questionado como Denilson conseguiu escapar, os bombeiros civis limitaram-se a dizer que sabem apenas que ele estava no Hospital Geral de Roraima (HGR), que também não sabiam como ele chegou até a Unidade de Saúde. “A única coisa que sabemos é que ele conseguiu chegar até o HGR, ainda não sabemos de nada. Não sabemos quem eram os bandidos, não sabemos onde exatamente era o cativeiro e nem mesmo como ele chegou até Boa Vista”, contou um colega de Denilson à Folha.

Durante o fim da tarde e começo da noite de ontem, Denilson ficou internado no HGR, onde passou por exames para avaliar seu quadro clínico. Por volta das 19h recebeu alta e foi levado para sua residência. Além disso, os bombeiros civis contam que o ex-militar tem marcas de cordas nos pulsos e no pescoço, estava barbado e abatido. “Quem postou a foto dele no HGR foram os seus familiares”, disse.

Sobre o fato de Denilson ter sido encontrado vivo, um dos bombeiros civis informou que sempre manteve a esperança. “Sempre tivemos a esperança de que nosso comandante estivesse vivo, embora imaginássemos que ele estivesse numa situação delicada. Colocamos ele em nossas orações e deu tudo certo. Agora cabe à polícia investigar para encontrar os autores do sequestro, para saber o motivo de terem levado ele para o cativeiro”, concluiu.

A Folha entrou em contato com o Núcleo de Investigação de Pessoas Desaparecidas (NIPD) do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil de Roraima para saber se havia sido comunicado sobre o reaparecimento do bombeiro civil e que medidas estavam sendo adotadas pela polícia, mas não obteve resposta.

O CASO - O ex-militar do Exército estava sumido desde as 12h30 do dia 27 de novembro, uma segunda-feira, quando foi visto pela última vez nas proximidades de um posto de combustível localizado na Avenida Princesa Isabel, bairro Santa Tereza, zona Oeste da Capital, a alguns quarteirões de sua residência. Ele teria levado o carro para um posto de lavagem e acabou saindo do local caminhando, como mostram imagens dos vídeos gravados pelo sistema de segurança do posto.

A última informação que a polícia deu sobre o caso foi que supostos sequestradores teriam entrado em contato com a família, cerca de três dias após o desaparecimento, para cobrar o valor do resgate, que seria de R$ 150 mil, mas a família informou aos sequestradores que não teria condições de pagar o montante e pouco tempo depois os elementos teriam retornado a ligação abatendo o valor para R$ 1 mil.

A Polícia Civil fez muitas investigações, mas não apontou nenhuma pista concreta do paradeiro do bombeiro civil. Equipes do Núcleo de Inteligência da Polícia Civil e do Departamento de Inteligência da Polícia Militar, além de equipes da Segurança Pública do Estado empenharam-se na tentativa de desvendar o caso. (J.B)

agrinaldo clarindo carvalho disse: Em 23/12/2017 às 10:16:32

"Ou seja, temos que rezar para não ser vítima de sequestro aqui em Roraima porque em 25 dias o Núcleo de Inteligência da Polícia Civil e do Departamento de Inteligência da Polícia Militar não têm nenhuma pista dos sequestradores. A vítima teve que fugir!!!!!!!"